quarta-feira, 26 de maio de 2021

MAREANTES DO VENTO

 



Crescemos na nudez das pedras

crescemos e desmaiamos
conforme as marés

vertemo-nos líquidos
em caudais de sons
ardidos no sal
no delírio da espuma
por todo o corpo

crescemos na substância das pedras
com asas muito leves

não somos barcos de carregar velas

somos mareantes do vento


eufrázio filipe
(revisitado)


11 comentários:

" R y k @ r d o " disse...

O meu elogio e aplauso para tão bonito poema.
.
Cumprimentos poéticos
.
Pensamentos e Devaneios Poéticos
.

Cidália Ferreira disse...

Poema fabuloso!! :)
-
Encantamento das estrelas...
-
Beijo e um excelente dia

GL disse...

Sabes? Tenho uma dificuldade enorme em comentar vs opinar sobre poemas.

Qualquer que seja o poeta, muitos deles estão ali, expostos naquilo que têm de mais belo: a sua intimidade, a sua forma muito própria de ver/sentir a vida.
Posto isto, Amigo, resta-me curvar perante a delicadeza do teu poema, todo ele feito de "sentires" onde se unem sensualidade e sonho, e matéria no que é etéreo.

Abraço.

Janita disse...

Somos como cascas de noz em mar encapelado, Caro Poeta.
Belo poema.
Um abraço.

Ailime disse...

Belíssimo poema!
O vento que nos suporta e ergue nas suas asas!
Beijinhos,
Ailime

Graça Pires disse...

Mareantes do vento são as palavras que escreves porque voam até ao infinito, como se fossem asas em delírio azul.
Tão belo, meu Amigo!
Muita saúde.
Um beijo

A Paixão da Isa disse...

muito bonito este poema bjs saude bfs

Parapeito disse...

Palavras que são brisas doces ***

Teresa Almeida disse...

Em voo leve
a substância de cada verso.

saudade disse...

Maravilhoso como sempre.
Boa semana, beijo

lis disse...

A prova da existência do mar são os mareantes
_a nomear ventos ondas e tempestades.
Gosto disso.
Abraço e boa semana.