sábado, 16 de maio de 2020

MAREANTES DO VENTO







Crescemos na nudez das rochas
crescemos e desmaiamos
conforme as marés

vertemo-nos líquidos
em caudais de sons
ardidos no sal
no delírio da espuma
por todo o corpo

crescemos na substância das pedras
com asas muito leves

não somos barcos de carregar velas
somos mareantes do vento


"chão de marés"

sexta-feira, 8 de maio de 2020

ÍNGREME O CAMINHO DAS PEDRAS










Estavam no cais
os barcos adormecidos
etéreos
quando partimos
por sobre as águas
sem fim à vista

foi assim

lá onde os olhos sem amparo
se consentem demorados
assistimos à passagem 
de um sopro de vento

Neste leito de sussurros
a primitiva chama
navegava
todos os degraus da escarpa

foi assim

tresmalhadas as pátrias
e os amores
chegámos à fala
de mãos dadas

no íngreme caminho das pedras

eufrázio filipe



sábado, 2 de maio de 2020

ETERNAMAENTE A RESPIRAR






Nem todos os jacarandás
rebentaram em Maio
mas tu cumpriste
o ritmo das estações
contra o tempo que faz

vestiste-te de púrpura
com cheiro a hortelã
sentaste-te no meu silêncio preferido
dedos esguios em flor
a crescerem nas teclas do piano

nem todos os jacarandás
rebentaram em Maio
porque não existem horas para amar

porque é possível pintar
uma flor com a boca
na tua boca
e ficar assim
eternamente a respirar


eufrázio filipe

"Chão de claridades"


domingo, 26 de abril de 2020

NÃO SE AJOELHAM OS BARCOS






No largo da minha rua
lá onde a lonjura
desponta torvelinhos

à flor das águas
resistem maduras
"as vinhas da ira"

agigantam-se a dardejar
memórias ventos relâmpagos

No largo da minha rua
chove na boca das sementes

não se ajoelham os barcos
nem os barqueiros


eufrázio filipe
"Chão de marés"


domingo, 19 de abril de 2020

ABRIL FLORESCE





No gorgeio dos afectos
a despertar timbres
arde a madrugada
na incandescência
dos lábios

tangem cordas de oiro
os nossos dedos
soltam-se faúlhas
que nos alimentam

Abril resiste
nos mastros mais altos
floresce a prumo
neste chão de cravos


eufrázio filipe