quarta-feira, 9 de dezembro de 2020

O APEADEIRO DA BEMPOSTA

 




Parti numa folha de papel por mares desnavegados, vales, rios e montes. Sem mapas nem estrêlas a despertar azinhagas e amoras silvestres. 
Foi assim que tropecei numa aldeia - casas dispersas, outras geminadas, um café, uma taberna, uma capela, um pelourinho e um apeadeiro de caminho de ferro.
Uma aldeia linda, afagada por canaviais, chorões e o cantarolar de um riacho onde corriam em paz águas cristalinas. 
O Café Moderno, no largo do pelourinho exibia um jogo de matraquilhos, seis mesas e um rádio antigo em voz alta. 
- Como se chama a vossa aldeia? 
- Bemposta. Diz a lenda que uma senhora real, muito bem vestida e triste, visitava aqui um aldeão. Chegava de charrete e partia, nua e sorridente. 
O Alexandre é que sabe explicar estas coisas. Deve estar no apeadeiro. 

No apeadeiro encontrei o Alexandre - um velho sentado num banco em frente  à linha do comboio. 

- Velho não, jovem com muita experiência.
Aprendi que a vida tem muitos apeadeiros mas aqui fiquei eternamente livre com uma mulher no coração. Uma santa mulher que me ensinava a contar pelos dedos todos os silêncios e a cantar baixinho para não acordar os pássaros. Uma santa mulher, mais linda que a Bemposta. 
Nunca por aqui passou. Foi eu que a inventei. 
Na memória essencial sou caçador de relâmpagos e o amigo que faz na vida? 

- Sou artesão de metáforas. 



eufrázio filipe
texto revisitado

21 comentários:

Ana Tapadas disse...

Um belíssimo artesão!
Há duas Bempostas no meu percurso: uma não tem apeadeiro, talvez seja a outra...

Beijo

brancas nuvens negras disse...

Curioso e nostálgico o clima criado neste texto.
Boa Noite.

Janita disse...

Qual caçador de relâmpagos, as minhas melhores vivências também fui eu que as inventei. Ando a treinar a área das metáforas.
Quando conseguir dominar essa Arte, poderei fundir-me numa só pessoa, tal como vi acontecer aqui.
Caçador e artesão unidos, jamais o sonho será vencido!!

Um abraço, Poeta Trovador.

Elvira Carvalho disse...

Como bem diz a Ana, um belíssimo artesão.
Abraço e saúde

MARILENE disse...

Amei sua criatividade! E realmente faz jus à atividade que diz desenvolver. Um artesão de primeira! Abraço.

Cidália Ferreira disse...

Publicação fabulosa! :)
~~
Quero sentir que pertenço à liberdade.
-
Beijo e um dia feliz!

Rosa dos Ventos disse...

Gostei do texto e da imagem!

Abraço

Ailime disse...

Belíssimo texto e imagem que me deliciou e tocou.
É na verdade um excelente artesão de metáforas e contador de histórias.
Um beijinho e obrigada por este momento.
Ailime

saudade disse...

Maravilhoso apiadeiro... É memórias que mesmo inventadas encantam. Beijo

Teresa Almeida disse...

Fascinada, desci no apeadeiro e fiquei a ouvir o caçador de relâmpagos.

Beijo.

Jaime Portela disse...

Um magnífico texto, muito criativo .
Gostei da história, do caçador e do artesão.
Bom fim de semana, caro Eufrázio.
Abraço.

Canto da Boca disse...

Dois encontros, dois mundos, duas potências e nasceu a poesia!

:)

manuela barroso disse...

Esse recanto soube- a saudades . Mas o apeadeiro trouxe o fascínio das memórias secretas que dormem em cada um de nós .
De mestre, que o é.
E sorri🌷
Beijinho , EF.

Agostinho disse...

Dois carris e uma dúzia de solipas podem ser uma metáfora aventurosa ou escada para subir na vida. Na Bemposta.
Eu que já viajei para cima e para baixo não o faço com mapa mas com intenção, depois de andar perdido. E aqui caí, neste mar arável, onde existe um Senhor que numa simples folha faz sempre uma circum navegação. Sempre com bons ventos. Excelente.
Abraço.

LuísM Castanheira disse...

"navegar é preciso...", nem que seja à memória.
Boa tarde

A Paixão da Isa disse...

bravo desejo felizes festas bjs saude

Graça Pires disse...

Artesão de metáforas. Caçador de relâmpagos. És assim. E encontraste o teu chão onde o teu caderno de poeta te reconhece...
Continua a cuidar-te, meu Amigo.
Uma boa semana.
Um beijo.

© Piedade Araújo Sol disse...

Adorei.
E sim é um auténtico.
Artesão de matáforas.
Cuide-se
Beijinhos
:)

jrd disse...

Artesão e (re)inventor de metáforas.
Grande abraço Amigo.

George Sand disse...

Tudo o que inventamos é absolutamente real

teresadias disse...

Fabuloso!!
Parabéns, senhor «artesão de metáforas»!
Beijo.