terça-feira, 7 de abril de 2020

NO PESTANEJAR DE UMA VÍRGULA






Olho-te como se fosse a primeira vez

na verdade a água
corpo líquido de mulher
tem segredos escondidos no fundo das pedras
alimentos de fogo
talvez uma praia onde se fundem
areias e lábios 
um piano de luzes
que determina o tempo das estações

ainda bem que tens ilhas selvagens
sinais apócrifos que se desnudam
em gestos simples
no pestanejar de uma vírgula

na verdade a água sabe rir e chorar
no espelho das próprias lágrimas
no rumor das maresias
e eu descobri uma vez mais 
que tens poros por onde respiras
silêncios escarpas por onde escorrem salivas
que te ergues e desmoronas
abrigo e mensageira
te desprendes do chão
ou hibernas nos corais

que bom ainda hoje
partilhar contigo este despertar
aprender vida fora a descobrir-te
como se fosse a primeira vez
e deixar  por um instante
a outra água
para os peixes se moverem


eufrázio filipe

"Chão de claridades"
editora Lua de marfim

20 comentários:

" R y k @ r d o " disse...

Como comentar tão ilustre poema? Talvez de uma forma simples, diga: "" POETICAMENTE PERFEITO ""
.
Saudações em Semana Santa

José Carlos Sant Anna disse...

É como se fosse sempre a primeira vez
bom que ainda hoje Heráclito tinha razão.
Um abraço,

Cidália Ferreira disse...

Olá,
Mais um poema muito belo que adorei ler!

-
Fazes-me falta...
-
Beijo e uma boa noite
"Proteja-se"

anamar disse...

" e na própria melancolia sê feliz"

abracinho :)

Rogério G.V. Pereira disse...

Caso tivesse o livro aqui à mão
dir-te-ia a página
seria consulta rápida
pois está marcada

É um dos mais belos poemas de amor
que me foi dado ler

saudade disse...

Excelente poema, como sempre... Muito bom.
Boa semana

Majo Dutra disse...

Um poema sensual muito belo, brilhando no teu Chão de Claridades...
Dias bem aproveitados.
Beijinho
~~~~

Canto da Boca disse...


Uma das grandes funções do poeta é essa forma de inaugurar o olhar e a poesia.

Belíssimo!

Beijo, Eufrázio.

:)

Pedro Luso de Carvalho disse...

Gostei do seu poema, caro Eufrázio Filipe.
Um abraço

Jaime Portela disse...

E os peixes movem-se mesmo...
Excelente poema, gostei muito.
Caro Eufrázio, continuação de boa semana e boa Páscoa (a possível).
Abraço.

© Piedade Araújo Sol disse...


um poema de amor
a liberdade da sensualidade

e que nadem os peixes
em águas claras

beijinhos

:)

teresa dias disse...

Grande, perfeito, poema!!
(Sabe, mesmo, a água rir e chorar?!)
Beijo, SANTA e FELIZ PÁSCOA!

" R y k @ r d o " disse...

Passando a fim de desejar uma Páscoa muito feliz, dentro dos condicionalismos que todos conhecemos

Um dia de Paz e Amor

Maria Rodrigues disse...

Palavras sentidas e apaixonadas num poema maravilhoso.
Dentro do possível, desejo uma Boa Páscoa
Beijinhos

Juvenal Nunes disse...

Excelente poema, que é também uma declaração de amor sem reservas.
Saudações poéticas,
Juvenal Nunes

Elvira Carvalho disse...

Um belíssimo poema.
Abraço e uma boa semana

Teresa Almeida disse...

Um poema que nos faz caminhar e voltar atrás. Há sempre algo que se mostra pela primeira vez.

Continuação de um tempo de aleluia.

Beijo.

Graça Pires disse...

Todos temos uma ilha adiada no peito…
O seu poema é belo, como são todos os seus poemas, meu Amigo.
Uma boa semana.
Um beijo.

Ailime disse...

Quando o amor fala mais alto...
Muito belo este poema.
Beijinhos,
Ailime

Agostinho disse...

Água pura
para que a primeira vez
se renove mil vezes
sempre
Que prodígio poético!

Abraço.