sábado, 3 de maio de 2008

ÁGUAS LENTAS








Neste rio correm memórias

por um fio



tão lentas as águas

que apenas soletro

os silêncios que ladram

nas margens deste barco



lentas mas breves estas águas

quebradas no olhar

nas arestas do vento

antes que ardam

os pássaros na folhagem



ou sacudam o corpo

para o mar

16 comentários:

maria josé quintela disse...

lentas sim


mas imparáveis.


como o pensamento


ou os pássaros que não se deixam arder.

Maria disse...

são lentas, sim, mas belas...
correndo para o mar, na sua lentidão, mas correndo...

excelente fotografia.

Beijos

Justine disse...

A tranquilidade da imagem da foto leva-me pelas imagens do poema, lentamente, saboreando-o devagar, antes que chegue ao mar.
Muito belo, o conjunto.

E obrigada pela visita lá por casa :))

Maria P. disse...

aqui as palavras sempre nos elevam...

Um abraço*

Graça Pires disse...

Lentas e breves, as águas. Como os caminhos do silêncio. Um abraço.

un dress disse...

neste rio escorre a tarde

a lon ga da






beijO

gabriela r martins disse...

depois de alguns dias de ausência
intensa mente vividos

o regresso tarda

mas volto

devagar

para vos respirar

em pleno

para vos guardar

em todo


tinha saudade
de vós

apesar dos outros rios
igual mente

belos


.
um beijo

MiE disse...

Belíssimo sussurrar do silêncio

lânguido, musicado.

Um beijo

inominável disse...

memórias a conta-gotas? devagar, devagarinho, meticulosamente pressionadas entre o indicador e o polegar, assim caem...

herético disse...

gosto muito das "arestas de vento" que "perturbam" o silêncio da paisagem. e o deslisar das memórias...

excelente, Poeta!

abraços

Donagata disse...

Poema belíssimo!
Palavras que nos sacodem os sentimentos.
Um beijo

Ana Paula disse...

Águas lentas... águas quietas, paradas antes e depois de qualquer tempestade... ou a tempestade imóvel.

É um poema lindíssimo! :)

isabel mendes ferreira disse...

a lentidão das palavras que sempre chegam a algum lugar.


as suas.



beijo.

Carla disse...

memórias de um tempo que a foto nos proporciona
beijos

Licínia Quitério disse...

Lentas águas até que os fortes ventos...

jrd disse...

É. Quando os rios da Utopia param as águas perdem o fulgor.