sábado, 26 de Julho de 2014

HOJE AS PALAVRAS NÃO ESTAVAM INTACTAS



 
                                
                                Luís Filipe Garcez professor de musica clássica com a Ana Filipe sua filha




Quando abraçavas a guitarra
tinhas nas mãos
um sol de mãos cheias

os pássaros desciam à terra
em pleno voo
e o silêncio calava-se
para ouvir improvisos
trinados de outras vozes

dilatavas as veias
como um rio sem margens
para o sangue correr
até à fímbria do mar

mas hoje as palavras
os sons e os pássaros
não estavam intactos

faltava-lhes o teu olhar


 

domingo, 20 de Julho de 2014

VOU ALI E JÁ VOLTO





Que o vento sopre

e o mar nos acompanhe

 

segunda-feira, 14 de Julho de 2014

HOJE PLANTEI UMA ROSA







Inacessível vista do alto
a minha escarpa preferida
é fácil de explicar

vertiginosa sobe ao chão
num perfeito equilíbrio
assimétrico

sem mácula nem poalhas
ali fica breves infinitos
até o mar desgrenhado
vicejar
velas remos e passos
nos mastros mais altos

Hoje plantei
uma Rosa
na minha escarpa
e nada mais aconteceu

 

quarta-feira, 9 de Julho de 2014

FOLHEANDO AS MARGENS







Por sobre a terra de ninguém
há rios descalços
em movimento
que se juntam e arribam
vagarosos
a fazer caminho
folheando as margens

até as pedras virem à tona
e o mar dulcíssimo
ser água de beber


 

sexta-feira, 4 de Julho de 2014

" MENINA DO MAR "





                                                    Sophia




Se pudesse dar às palavras
a leveza das cinzas
no sussurro das marés
desmantelaria o Panteão

libertava os vivos
enclausurados
para ficarem mais leves
no mastro das bandeiras

tentaria devolver aos pássaros
as amplas claridades