terça-feira, 30 de junho de 2015

OLHOS ENXUTOS






De passagem
pelo eco ciciado da casa
onde florescem cravos
paisagens de carne e osso
o rio
para salvar o retrato íntegro
do silvo dos barcos
transportava palavras navegáveis
folhas de arremesso
aos guardadores de rebanhos

De passagem
cansado de ser rio
exilou-se no mar

ainda tentou roubar-te
uma lágrima solta

mas os teus olhos
estavam enxutos
na palma das mãos


Eufrázio Filipe

quarta-feira, 24 de junho de 2015

QUANDO TE DESPES DAS SOMBRAS




À vista dos mastros
no eco do cais
não são os poetas
que morrem nos poemas
para salvar palavras
a luz mais clara

és tu
por gestos
quando te despes das sombras 


Eufrázio Filipe
 

quinta-feira, 18 de junho de 2015

APRENDIAM OS PÁSSAROS A TER ASAS




No tempo em que crescíamos
a noite bramava tão parda
que nem parecia noite

de súbito um frémito de luz
pestanejou nos mastros do cais

o mar restolhou

e eu vi claramente
os teus olhos remoçados
alumiarem as águas

Após tantos relâmpagos vividos
julgavas estar preparada
para voar

mas os pássaros ainda aprendiam
a ter asas


Eufrázio Filipe
 

sexta-feira, 12 de junho de 2015

ATEAR AS ÁGUAS






De tanto ver pátrias movediças
começo a ter saudade
das minhas verdades improváveis

pássaros pétalas e asas
a dardejar nos mastros
o tempo em arritmia
contado pelos dedos
em voz alta
esculpido nas pedras
povoado de sons
quase poema

Onde a luz se afoga
basta um sopro
na constelação dos azuis
para atear as águas


Eufrázio Filipe
 

domingo, 7 de junho de 2015

BREVE SEARA




Quando na limpidez dos silêncios
esculpida no espaço
dançaste em pontas
num palco de areias
por sobre as videiras
mais leve que o vento
eterna por um instante
despida de tudo
neste mar de terra arada
eu já tinha a tua sombra
projectada num lençol de linho
só me faltava a luz em arco
construir pontes
para não ferir as águas
eu já tinha a tua sombra
quando em silêncio
as escarpas vindimadas
te colheram em pleno voo
livre
musical
num sonho de mãos inteiras
flores azuis e uvas maduras
nas paredes da casa
onde se deitam os meus olhos
só faltas tu imensa
breve seara

Eufrázio Filipe