sexta-feira, 20 de outubro de 2017

SOLTAR OS PÁSSAROS





Os cães choravam em silêncio
e eu não sabia porquê

pensei no pobre limoeiro a afundar-se
lá onde nidificam toupeiras
ao entardecer
na estrela persistente
que viceja à noite no portão
nos olhos claros de um certo azul
que ilumina a casa
no desfolhar ensombrecido
das roseiras

vasculhei tudo
invadi searas proibidas
até ao mais íntimo da pele

pó sombras sonhos bibliotecas

perguntei-te
quando desaguas?

e tu desaguaste à janela
a marejar entristecida
e eu não sabia porquê

foi quando os cães se levantaram
para soltar os pássaros

Eufrázio Filipe
"Chão de claridades" colectânea 2008/2012
Editora Lua de Marfim

19 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Lindo =)

Feliz dia do Poeta
Beijo. Bom fim de semana.

Marta Vinhais disse...

Às vezes, precisamos de gritar e libertarmo-nos da dor...
Bom fim de semana....
Beijos e abraços
Marta

Olinda Melo disse...


Chorar alivia o coração das suas mágoas.
Muitas vezes não se sabe bem porquê. Talvez
um acumular de coisas que num qualquer
momento faz rebentar o dique das emoções.

Abraço.

Olinda

Eu herético disse...

reabri os comentários

espero-te no meu "planalto"

abraço

Luis Filipe Gomes disse...

Há que soltar os pássaros sim!

LuísM Castanheira disse...

a linguagem dos sentidos...
belo poema.
abraço

Pedrasnuas disse...

Multiplicidade de leituras...

Janita disse...

Há que soltar a liberdade dos pássaros que vive em nós, Poeta!
Não esperar que sejam os cães a dar-lhes liberdade.

"Como eles, somos livres...somos livres de voar"

Que o voo seja bem alto e definitivo...

Beijo.

Bandys disse...

Lindo.
Há dores que libertam.
Viva a liberdade.

Teresa Almeida disse...

Um poema tão bem dedilhado, só poderia servir de parapeito ao voo. Bj.

Graça Pires disse...

Magnífico poema! Os pássaros livres vão reinventar a íntima peregrinação da luz no olhar do poeta.
Uma boa semana.
Um beijo.

Maria Rodrigues disse...

Belissimo poema.
Um abraço
Maria de
Divagar Sobre Tudo um Pouco

Ailime disse...

Lindo poema!
E quando se soltam os pássaros respira-se liberdade.
Beijinhos,
Ailime

Pedro Luso disse...

Caro Eufrázio Filipe gostei de seu poema. Um poema singular, no meu entender. Parabéns.
Um abraço.
Pedro

Agostinho disse...

De cortar a respiração, Eufrázio.

Razão têm os cães que choram no labirinto perdidos, sem memória.
- Onde pára o fio das águas
que amarra as asas aos pássaros?
Perguntem ao Poeta que sabe de roseiras e estrelas.

Abraço

teresa dias disse...

Soltar pássaros... soltar a imaginação.
Lindo!
Abraço.

© Piedade Araújo Sol disse...


há sempre um momento de soltar os pássaros

para que as mágoas se misturem com o vento e as lágrimas desbaguem no oceano

é urgente o momento...

;)

Boop disse...

"e tu desaguaste à janela
a marejar entristecida
e eu não sabia porquê"

É a raridade dos ombros em que se pode transbordar mesmo sem saber/dizer/pensar porquê que os torna tão preciosos.

graça Alves disse...

Maravilhoso!
Bj