quinta-feira, 30 de março de 2017

À PERGUNTA DE OUTROS MARES




Quando foi urgente criar um deus
as uvas ainda não estavam maduras
no corpo das videiras

inocente subiste ao púlpito
das vinhas decepadas

improvisaste um sermão
ergueste o cálice
e a companha exausta aprendeu
que nada é perfeitamente inútil

após as vindimas
bebemos do mesmo vinho

foi quando enfunaste as velas
começaste a despontar relâmpagos
nos mastros mais altos

 afloraste o chão com um beijo
partiste sem destino
por sobre as águas revoltas

à pergunta de outros mares


Eufrázio Filipe
"Chão de Claridades" editora Lua de Marfim

17 comentários:

Pedro Luso disse...

Boa noite.Eufrázio Filipe.
Gostei do seu poema, À pergunta de outros mares. Parabéns.
Um abraço. Pedro.

Rogerio G. V. Pereira disse...

Poeta,
quando a pergunta
significa procura
há que ir


como em outras alturas
soubemos ir

Cidália Ferreira disse...

Bom dia
Poema muito bonito!Adorei

Beijinhos

LuísM Castanheira disse...

As vinhas da desilusão...
e de outro chão, o apelo.
Mto. bom o poema
Abraço

Laura Ferreira disse...

também gostei muito!

Olinda Melo disse...


Em busca de outras vivências, em busca de coisas por descobrir
para o enriquecimento de quem não se contenta com pouco. Mente aberta
e coração ao alto.

Abraço

Olinda

Teresa Almeida disse...

A memória subiu ao palco, mas desceu para subir mais alto.

Um poema a abrir caminhos.

Beijinho, Filipe.

Elvira Carvalho disse...

Tenho dificuldade em comentar poesia. Mas não tenho dificuldade em gostar de boa poesia. E gosto do seu poema.
Um abraço

Sofia disse...


A dúvida nos leva a outros mares.

Seu poema é lindo!

Bjs

Agostinho disse...

Tu o disseste:
- "Nada é perfeitamente inútil"!
E, se inútil a inútil se juntarem todos os inúteis num perfeito completo feito, num mar de palavras escritas e lavradas e semeadas de belo..., isso não é o céu?
Abraço.

Arco-Íris de Frida disse...

E que venham as respostas...

teresa dias disse...

Como será partir "à pergunta de outros mares"?
Belo poema. Foto perfeita.
Abraço.

Graça Pires disse...

Provar o vinho. Partilhar a cumplicidade da procura de outros mares...
Excelente, meu Amigo.
Uma boa semana.
Um beijo.

Maré Viva disse...

A eterna necessidade da procura, de enfunar as velas e partir em busca de outros mares.
Belo e profundo o teu poema.
Abraço.

lis disse...

Os céus as florestas os ''Mares'
Infinitos Silenciosas Desconhecidos
e sempre 'as perguntas..."
abraço Eufrázio

Odete Ferreira disse...

Brindemos ao deus do poeta.
Nele, as palavras procuram-se e encontram-se, questionam e respondem.
Um poema com a tua marca inconfundível.
Bjo, amigo

Sónia M. disse...

A eterna procura...

Belo, como sempre!

Beijo