quarta-feira, 16 de novembro de 2016

LÁBIOS




Demoras-te senhora nestas águas
porque é sempre breve
o instante
das pequenas vertigens

vieste colher os meus lábios
para incendiar uma pedra

na verdade o teu corpo
tão líquido e incerto
na voragem dos destinos inventados
vibra no ritmo das marés
ilumina-se por dentro
num feixe de faúlhas

habita as fendas rema
por onde espumam as salivas

demoras-te senhora
sentada no meu barco 

mas nunca saberás
dos meus lábios uma palavra
sempre que tocar os teus

nem das línguas
o fogo regurgitado
que nos liberta


Eufrázio Filipe
no "Chão de Claridades"


17 comentários:

Laura Ferreira disse...

que bela cantiga se pode desenhar nestes lábios :)

Odete Ferreira disse...

Que belíssimo canto de amor e paixão! Com a peculiaridade das tuas metáforas e imagens e o uso do vocativo senhora, remetendo para um alguém intocável.
BJ, Filipe ☺

Marta Vinhais disse...

O destino está traçado nesses lábios....
Belo
Beijos e abraços
Marta

LUIS MILHANO (Lumife) disse...

"o instante
das pequenas vertigens"

momentos que marcam uma vida...

Arco-Íris de Frida disse...

A foto é hipnotizante... a boca vermelha...

Emília Pinto disse...

E estes lábios, da " senhora sentada no teu barco", parecem saber da brevidade de um instante", da pequena despedida que representa qualquer instante neste ritmo da vida sempre constante nas suas fases ; feitos folhas de outono que caiem em despedida, estes lábios se apagam, sem cor, mas sempre à espera de colher noutros a certeza que iluminará" por dentro a sua senhora" , senhora que continuará "sentada no barco" até que "as marés, ora altas ora baixas, lhe tragam a resposta. E, como " quase tudo se conquista", a espera terá sucesso e valerá a pena, pois em se tratando de amor lutar nunca é demais; apesar do outono nostálgico, o sol nasce sempre para iluminar as almas inquietas. Sempre bela a tua poesia que, como o amor, pode ser "lida" de diferentes formas, dependendo da " senhora" dependendo do barco, dos lábios "e, principalmente da alma que a lê. Obrigada, amigo, por este instante, breve ou não......não dependerá de nós; e aqui está uma das coisas que "não se conquista," pois é a vida a decidir.. Um beijinho e muita saúde.
Emilia


LuísM Castanheira disse...

contra a corrente há um barco a navegar...
e cada rio, é um poema ao chegar.

Agostinho disse...

Apesar do tratamento
"Senhora"!
o curso da natureza em linhas convergentes
fez-se nas mãos do Poeta.

Abraço

jrd disse...

Um dos mais belos poemas desse Chão admirável por onde me passeei.
Um braço fraterno

Bandys disse...

mas nunca saberás
dos meus lábios uma palavra
sempre que tocar os teus,

Belo e intenso.
os labios em silencio falam mais
beijos

Majo Dutra disse...

Bela e intensa esta paixão marinha...
Beijo, amigo.
~~~~~~~~

Magia da Inês disse...


Poesia linda, ardente, musical.
Bom fim de semana com tudo de bom!!!
Beijinhos.
♫♪ه° ·.

Ailime disse...

Já conhecia este seu magnífico poema cujo começo me agrada de sobremaneira.
«Demoras-te senhora nestas águas
porque é sempre breve
o instante
das pequenas vertigens».
Muito belo! De uma sensibilidade espantosa.
Beijinhos e bom fim de semana.
Ailime

manuela barroso disse...

A intensidade de um amor cujo fogo não teme a imprevisibilidade e incerteza das marés.
De poeta!
beijinho

Graça Pires disse...

Uns lábios a incendiarem o poema...
Uma boa semana, meu Amigo.
Beijos.

graça Alves disse...

Lindíssimo!
bjs

© Piedade Araújo Sol disse...

uns lábios a incendiar uma pedra
e quiçá as marés

terno e original

beijo

:)