segunda-feira, 2 de maio de 2016

FLORES DE ESPUMA





Um círculo de garças
nem brancas nem esguias
adormecem nos barcos ancorados
com olhos excessivos

Nesta ilha sem vista para o mar
navegam águas improváveis
faúlhas num incêndio
de partículas sitiadas

Aqui paira o aroma da cânfora
em ressonâncias quase divinas
poisam lábios em cálices de cicuta

O mar não é sempre azul
e talvez por isso se agite
nos mapas imaginários
rasgue caminhos
para não se perderem os náufragos

Nesta ilha de bálsamos
onde os destinos se desmentem
afagamos ruínas soltamos hinos
por sobre a memória das pedras

damos voz aos silêncios

até que as garças
se tornem brancas e esguias
como flores de espuma

Eufrázio Filipe
( 2008 )

 

14 comentários:

anamar disse...

o meu 1º poema lido no maio que agora começa.

beijinho e mês lindo

Laura Ferreira disse...

Flores de Primavera.

Andrea Liette disse...

Um poema intenso- de olhos e coração excessivo.
Gostei muitíssimo !
Beijos.

Marta Vinhais disse...

Até que tudo se renove... E há novos mapas, novos destinos...
Lindo....
Beijos e abraços
Marta

rosa-branca disse...

Até que tudo fique renovado num silêncio (com voz). Lindo poema que adorei. Beijos com carinho

Teresa Durães disse...

A renovação!

Janita disse...

Nem o mar é sempre Azul nem sempre os náufragos conseguem chegar a porto seguro, mas se não tentarem nunca o saberão!

Haja persistência e renovação, Poeta!

Beijos

Miss Smile disse...

Uma bela cartografia do renascimento...

heretico disse...

tudo tem seu tempo.
até mesmo a floração das garças...

belo teu poema

abraço, Poeta

Agostinho disse...

Olhos excessivos a pedir
pestanas de vento
Floresçam graças imaculadas
e pernas esguias - as garças

Como sempre, excelente.

jrd disse...

A graça das garças quando florescem.

Abraço meu irmão poeta

luisa disse...

O poema é uma ilha a que chego seguindo o voo dessas garças que desabrocham como flores. :)

© Piedade Araújo Sol disse...

tudo se renova

e na ilha tudo se tece com olhos de mar

mesmo que sejamos náufragos

beijo

:)

Odete Ferreira disse...

E quando (diva)gando sai da navegação uma diva poética, só podemos ficar num silêncio contemplativo...
Bjo, Filipe :)