sábado, 21 de novembro de 2015

SOMBRA DE LUZ


                                                 Eduardo Gajeiro



Quando despertei
a árvore
que ajudei a plantar
nos espelhos da memória
choviam
desejos paisagens sons
e foi assim
neste equilíbrio
fugaz de assimetrias
que escrevi no tempo
um espaço
para agitar o vento
mares salivas flores de sal
a prumo nos mastros
num desassossego de barcos

e foi assim
que organizámos jardins
bandos de pássaros
relâmpagos

Quando despertei
vesti o melhor fato
só para te ver

e tu lá estavas
sombra de luz.



 

17 comentários:

Suzete Brainer disse...

Um belo sentir que transcende
as paredes da realidade,
para voar nos sonhos da
estrada do desassossego (poético)...

As belas artes em harmonia:
o poema e a foto!
Bjs.

Jaime Portela disse...

Para ocasiões especiais, o melhor fato é sempre aconselhável...
Excelente poema, parabéns pelo talento poético que as suas palavras sempre revelam.
Tenha um bom fim de semana, caro amigo.
Abraço.

Marta Vinhais disse...

É sempre bom agitar o vento e mergulhar na memória das sombras....
Reencontrar a luz e ver....Para além de tudo...
Adorei...
Beijos e abraços
Marta

Rogerio G. V. Pereira disse...

Há claridades assim
com gente dentro

MJ FALCÃO disse...

Sim, a sombra de luz está lá sempre....
"Quando despertei
vesti o melhor fato
só para te ver

e tu lá estavas
sombra de luz"
Bom fim de semana. E tanta paz!

Olinda Melo disse...


Uma chuva de vários elementos aparentemente assimétricos, que se encaixam e que permite ao criador criar momentos em que outros elementos se perfilam e lançam a luz no seu espectro mais raro.

Abraço

Olinda

Agostinho disse...

Com melodia
os sons
o poeta a bailar
o ritmo
os barcos
fundeados no cais
os mastros
e o céu
Muito mais...

Lilá(s) disse...

Neste MAR ARÁVEL a poesia é perfeita!
Bjs

heretico disse...

há momentos assim, em que o Poeta se veste de luz
para (re)colher as sombras...

muito belo, Poeta.

abraço fraterno

jrd disse...

Relâmpagos e sombras de luz. O poemas e a poesia.

Abraço fraterno

OceanoAzul.Sonhos disse...

Quando despertamos conseguimos ver aquilo que é maravilhoso mas que pela simplicidade muitas vezes não nos apercebemos. A luz do olhar..

Isabel disse...

Há despertares que valem a pena!

Sou o que sou disse...

Muito lindo, parabéns!
Boa noite, obrigada pelo acesso.

Salete disse...

Plantar uma árvore é sempre um bom começo... a morada de pequenos grandes milagres.

Belíssimo, como sempre.

Beijinho.

Arco-Íris de Frida disse...

Gosto de bando de passaros e os relampagos a ilumina-los...

filomenafonseca disse...

Sombra de luz é muito bonita ao ar livre,agora em casa,prefiro as casas com luz ambiente,no entanto,de inverno,na minha região,a minha casa torna-se demasiado escura e nota-se a conta da electricidade a aumentar no inverno com tudo ligado,luz,computador,televisão,às vezes rádio,enfim,tudo isso!! http://cenasemaiscenas29.blogspot.pt

Odete Ferreira disse...

Considerando que as memórias (já de per si, perceções do que foi), é assaz importante criar um espaço mais concentrado (na nossa memória) para que se tenha mais presente o que foi muito importante. Por vezes faço um exercício: fecho os olhos e tento manter a imagem de algo por um tempo. Dou-me conta que é quase impossível. Tudo rola a alta velocidade. Desculpa este arrazoado.
Escrever os momentos é um ótimo exercício para memória futura (eu dato tudo...) Neste teu poema, a ideia que eu captei e que tentei explanar, está excelentemente versejada, poeta!
Bjo :)