segunda-feira, 6 de julho de 2015

COMO SE FOSSEMOS LIVRES E SOMOS




Nos gestos mais simples
é possível conquistar
um coração de ave
rasgar a crosta das palavras
agitar o fulgor da vida
a grinalda de cristais
onde corre o sémen
rumoroso e fértil

nos gestos mais simples
é possível espalhar sementes
incendiar fronteiras
partir mar adentro
como se fossemos livres 
e somos

nos gestos mais simples
é possível resistir
rasgar silêncios
na voz dos pássaros
e deixar que as palavras
num sopro de brisa
poisem por sobre as águas
no corpo da poesia

como se fossemos livres
e somos


Eufrázio Filipe
 

22 comentários:

Majo disse...

~~~
~~ E somos realmente, Poeta?!

~~ Olho para a agonia do povo grego
- especialmente dos pais - e duvido.
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

~~~~ Abraço amigo. ~~~~~~~
.

Ailime disse...

Muito belo!
O poeta é sempre livre de expressar o que lhe sangra a alma.
Beijinhos,
Ailime

Carmem Grinheiro disse...

Olá, Filipe.
Por vezes, os gestos mais simples parecem tão difíceis. É vital que rasguemos silêncios e arranquemos, de uma vez por todas, a crosta às palavras.

abç amg

lino disse...

Será que somos mesmo? Acho que o refrão da canção do Sérgio Godinho é cada vez mais actual.
Abraço

EU disse...

Mas para se conseguir a simplicidade mesmo nos gestos, um grande caminho tem de ser percorrido. E podem-se fazer grandes coisas, é certo.
Mais um brilhante poema, Filipe.
Bjo :)

Maria do Sol disse...

Como se fossemos livres mesmo nunca o sendo...
Abraço

Graça Sampaio disse...

Muito, muito bonito!

Isso é que é poder de expressão - poder de impress(ão)(ionar)....

Muito bonito!

Seremos mesmo livres? Por vezes...

Beijinho

lis disse...

E somos?
_ 'sementes' a espalhar.

Miss Smile disse...

Se vivermos como se fôssemos livres, seremos verdadeiramente livres. As amarras vivem sobretudo dentro de nós. E a liberdade também.

Lindo, lindo o seu poema :)

Suzete Brainer disse...

A poesia um caminho que conduz à nudez (palavra e alma),
à liberdade (gesto simples) de transcender significados...

Poema belíssimo!!

Teresa Almeida disse...

E SOMOS. E podemos.
Um mar de saudades.
Abraço imenso.

© Piedade Araújo Sol disse...

será que somos?!

mas os Poetas são (livres) sempre.

muito belo!

beijo

:)

Magia da Inês disse...

❤ه° ·. Super lindo!!!!
Podemos sonhar!...
Bom restinho de semana!
Beijinhos.
⋰˚هჱ

Anónimo disse...

A verve de sempre, Poeta. As palavras-filhas que brotam frescas e perenes.

E sim:

"nos gestos mais simples
é possível resistir".

2 beijos vírgula 5

Maria José Bravo

Lídia Borges disse...


Creio que sim. Que é possível transformar pela palavra qualquer presságio ou "impossibilidade".

Beijo

heretico disse...

"partir pelo mar adentro..."

como se todo o mar, Mar Egeu fora!...

belo, Poeta!

abraço fraterno

ana disse...

Gosto mais do 9º verso até ao fim.
Beijinho. :))

Genny Xavier disse...

Há um fluxo de liberdade em tudo que germina, independentemente das grades que criamos...palpáveis ou invisíveis...
Que os gestos simples nos permitam voar e espalhar sementes no corpo da poesia...

Beijo,
Genny

Teresa Durães disse...

é possível, sim, desde que não se cortem as asas!

Graça Pires disse...

Tudo é possível com os gestos mais simples. Até sermos livres...
Um beijo, meu amigo.

Agostinho disse...

E somos!
Mesmo quebrando rochas
mar adentro.

Cadinho RoCo disse...

Nossa, que poema mais provocador. Simplesmente delicioso.
Cadinho RoCo