terça-feira, 17 de março de 2015

PRESOS A UM SOPRO DE VENTO




                                                       2014 (Poética editora)   Apontamento reconstruído 



... e foi assim ...

um dia escrevi o amor é revolucionário e uma senhora que esculpi nas areias da praia, logo se levantou para me dizer 
O amor é revolucionário? Interessante. Importa-se de me explicar claramente a sua ideia? 

e eu respondi que sim. 

Meu amor, nesta ilha rodeada de sonhos, se tivéssemos um barco, ai se tivéssemos um barco, como seria inútil este mar - lutaremos como somos e onde estamos. 

A senhora de pé nas areias adiantou que as realidades quando sonhadas por vezes são mais verdadeiras - e ainda acrescentou  - gostei de o ler, só é pena ser comunista. 

Olhei-a nos olhos e respondi que não queria salvar o mundo só ajudar. A poesia é um prazer para quem escreve mas um desafio para quem lê. Tudo se move até o vento. 
Por vezes um poema vale por um verso e um verso uma eternidade. 

A senhora ainda de pé disse não ter entendido mas que as palavras eram lindas. 

... e foi assim ...

neste chão de claridades, por mares nunca antes desgrenhados, subimos à nossa escarpa preferida para colocar um beijo no mastro mais alto da vida e dizer-lhe ao ouvido poemas ainda não escritos, presos a um sopro de vento. 


EUFRÁZIO FILIPE
 
 

26 comentários:

Rogerio G. V. Pereira disse...

De te ler lido
tenho percebido
que a "escarpa"
já foi
refúgio, trincheira
farol, bandeira
leito, hino

Hoje descobri-lhe
outro sentido
Ainda não sei bem qual, mas é lindo

Majo disse...

~
~ ~ Concordo com a avaliação da senhora: uma maravilha!

~ Mas sem penas, com admiração apenas, amigo comunista.
~~~~~Bj~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Lídia Borges disse...


As claridades de uma realidade a perseguir pela praia branca, uma mulher de areia que um dia se levantou. Chamava-se Poesia e sendo sonho, cantou. O que disse? Exatamente o que o leitor escutou.

Um beijo

jrd disse...

haverá sempre um sopro de vento no mastro mais alto capaz de espalhar a beleza da tua poesia.

Abraço meu irmão poeta

GL disse...

Daí a "perigosidade" da poesia.

Abraço.

CÉU disse...

Um texto muito bem escrito, sem dúvida! Tem cheiros e cores, e parece-me que, casuais amores, também.
Não entendi a afirmação da senhora, a propósito do ideal político. Afinal, um beijo é sempre um beijo, quer ele aconteça com um/a comunista ou com um/a fascista. Foi bom? Não é, logicamente, para responder.

Dias felizes!

Graça Pires disse...

As palavras podem ser "armas" perigosas, trincheiras, preces, cantigas , esperança, salvação e tanta coisa mais...
Um beijo, meu amigo.

© Piedade Araújo Sol disse...


e que beleza tão grande será

ouvir poemas ainda não escritos

presos num qualquer vento

que nos assole o ouvir.

beijo

:)

trepadeira disse...

E a senhora sem nexo voltou a deitar-se, era já alto dia, não queria ser acordada.

Abraço,

mário

Luis Filipe Gomes disse...

Sim, o amor é revolucionário; subversivo e revolucionário!

anamar disse...

E não é que consolaste a senhora?

Foi uma cocega no seu ouvido...

São asssim as palavras dos poetas.

Beijinho, Eufrázio

Lucy Mara Mansanaris disse...

Lindo demais esse texto.

E entre os encontros e desencontros do diálogo, restaram os sentires, tão particulares, assim como na poesia, que diz sem dizer e provoca querendo acalmar... e assim por diante.

Parabéns pela postagem!

SOL da Esteva disse...

Sentimentos e preconceitos são leitura comum ao mais singelo dos Seres.
O teu texto desvenda máscaras que existem e se escondem por trás dos rostos.
Mas, adorei o Tema/Texto.
Parabéns.


Abraços


SOL

ana disse...

Muito bonito este texto em prosa poética.
Um abraço. :))

heretico disse...

melhor que escrever poesia é... fazê-la!
depois de provada, até os/as incrédulos/as acreditam no milagre!...

abraço fraterno, meu caro Poeta.

Janita disse...

Vejo que essas escarpas escondem sonhos nunca dantes sonhados, amores revolucionários da alma e sopros que são vendavais.

Lindo demais!

Beijinhos.

Armando Sena disse...

A epopeia do Amor é sempre uma luta que vale a pena ter.

CÉU disse...

Olá, Filipe!

Presos a um sopro de vento, ou a outra coisa qualquer, mas por vontade.

De novo, a leitura que fiz ao que escreveu, foi fascinante.

Abraço.

Almma disse...

Fácil sentir, difícil explicar, ainda bem que temos a poesia... Esse sussurro, esse vento leve que provoca arrepios e volta a observar. Amar é amar.

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde, amor é amor independentemente da cor, religião ou da ideologia politica, a observação da senhora revela um vazio democrático e ambição de ser uma aprendiz de feiticeira.
AG

Ana Tapadas disse...

As palavras são lindas! Mérito do Poeta!

Beijo meu

Ailime disse...

Belíssima prosa poética!
Que soprem ventos favoráveis desvendando poemas "ainda não escritos"!
Beijinhos,
Ailime

Cadinho RoCo disse...

Dos poemas não escritos o amor a revolucionar a vida.
Cadinho RoCo

Lune Fragmentos da noite com flores disse...

Suponho que o nome que assina este texto é o teu, 'Mar Arável'. Ou ando distraída, ou ainda não me tinha dado conta que assinavas os textos e/ou poemas.

Fiquei encantada. Foi dos textos mais bonitos que li aqui. O próprio titulo é sensível. Parabéns!

Abraço,

Agostinho disse...

No masro mais alto brilha a estrela
para que se enxergue o caminho
E da areia nascem bocas de beijar
os desgrenhados cabelos no ninho

EU disse...

Revolucionárias serão sempre as palavras no teu peculiar sentir poético.
Bjo, Mar :)