quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

ESTÁTUA NO EXÍLIO



                                                                                                       
                                                                


Sereníssima
oriunda dos melhores gestos
aos meus olhos
supera o criador

traz na voz
uma feira de barro
inscreve nas linhas
da palma das mãos
contornos de luz

Musa purificada de palavras
estátua no exílio

celebra o efémero
no mais íntimo dos espelhos


     Eufrázio Filipe



26 comentários:

Dilmar Gomes disse...

Bom poema, em estilo neo-clássico. Um abraço daqui do sul do Brasil.

SOL da Esteva disse...

Um belo Poema á harmonia e perfeição que se esgota no exílio do tempo.
Gostei.


Abraço



SOL

OceanoAzul.Sonhos disse...

Elegante poema.

Gostei muito.


jrd disse...

Deixaste que a a tua poesia, de tão bela, te superasse, poeta.

Abraço fraterno

Maria Eu disse...

Lindo, o poema!

Beijinhos, MA! :)

Imprópriaparaconsumo disse...

O espelho traz sempre o reflexo do efémero :)
Muito bonito.

Elvira Carvalho disse...

Gostei.
Um abraço

Lídia Borges disse...


Sem dúvida. O efémero que aqui merece destaque porque belo, aos olhos do poeta...também.
Enquanto a efemeridade durar.


Lídia

Charlie disse...

Muito belo.
Virei mais vezes. ;)

CÉU disse...

Agitado e perene:)

Rita Freitas disse...

Uma beleza que certamente não será efémera.

bjs

vendedor de ilusão disse...

E que bela estátua; linda de encantar...

trepadeira disse...

Estátua exilada dentro das paredes do país.

Abraço,

mário

Majo disse...

~
~ ~ Que a musa de beleza escultural regresse do exílio e celebre o efémero em apoteose.
~ ~ ~ ~

heretico disse...

"Musa purificada de palavras
estátua no exílio"

é o que acontece às musas puras ou purificadas - ficam estátuas de sal...

um poema depurado e belíssimo! que te engrandece...

abraço fraterno, Poeta

Teresa Almeida disse...

O poema e a pintura interpenetram-se na perfeição.
Beijinho, Eufrázio.

© Piedade Araújo Sol disse...

espelho em reflexo
ou tão somente
o reflexo no espelho
da musa de encantar

:)

GarçaReal disse...



Simplesmente fantástico.

Adorei

Bom fim de semana

Bjgrande do lago

Olinda Melo disse...


Que mistérios encerra esta estátua, transcendendo o próprio criador, mistura de barro e luz? Talvez represente o que há de mais puro existe em nós, com ligações à terra e laivos da voz da liberdade. Mas, no exílio...Que pena!

Abraço, caro poeta.

Olinda

Lilá(s) disse...

Um poema belíssimo! e que bela musa!

Ana Tapadas disse...

Ah...maravilha de palavras certas, como se usadas pela primeira vez...

Beijo meu

Agostinho disse...

É da efemeridade do barro que se levantam estátuas na beleza da poesia. Todos os dias alimenta o belo que vive em nós.

manuela baptista disse...

a menina dos seus olhos

CÉU disse...

Agradeço visita e comentário na minha publicação.
Não sei ser sucinta. Por vezes, é virtude, outras, nem tanto.

Olhei melhor a imagem da mulher e "casei-a" com as palavras. Acho que vai ser "amor para sempre", porque é talento.

Boa semana!

EU disse...

E são assim as musas: transcendem para lá do tempo e chegam ao tempo do poeta, serenas, perfeitas.
Sempre obras de arte, os teus poemas, Mar.
Bjo :)

Vento disse...

'[...] ou a obra de arte mais linda que eu já vi'

... quase roubei... :))
gostei tanto.

beijo.