segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

POR UMA NESGA DE SOL






À míngua de relâmpagos
que não caem dos céus
desprendido
sono(lento)
de remelas remos
e memórias vivas
lá estava o barco
a caminhar
por uma nesga de sol
passo a passo
a semear bandeiras
o canto dos pássaros
no chão das águas


Eufrázio Filipe

27 comentários:

S. disse...

É preciso semear, pois nada cai do céu.

Belo!

Maria Eu disse...

Haja sempre um barco em águas navegáveis.

Beijo, MA! :)

Helena disse...

Um barco... A navegar versos rumo ao sol!
Belo poema! Expressiva imagem! Com a tua marca, grande poeta!
Que te chegue uma semana de sorrisos e estrelas,
Helena

ana disse...

Descer a água de um rio, cantiga de amor.
Boa noite.:))

Rogerio G. V. Pereira disse...

Hoje sinto-me não sei se barco se remo, se vela
uma nesga de sol?
Espero tê-la
como prenda

Arco-Íris de Frida disse...

E basta uma nesga de sol...

OceanoAzul.Sonhos disse...

É bom embargar neste mar de versos


Graça Pires disse...

No chão das águas, à procura de uma nesga de sol ou de um relâmpago... Muito belo, amigo.
Beijo.

EU disse...

No mar, a fazer caminho, nascem sonhos que serão luz no voo poético.
Haja sol!
Belo!
Bjo, Mar :)









Rita Freitas disse...

Por uma nesga de sol ao sabor da corrente.

Abraço

Smareis disse...

Apenas uma nesga de sol, se encontra um caminho...
Um poema brilhante!
Gostei muito de conhecer teu trabalho.
Deixo um abraço!

Até breve!

José Carlos Sant Anna disse...

Uma nesga de sol é o que basta
para semear a vida em nome do tempo ou da eternidade...

Abr.,

Teresa Durães disse...

um fio de luz, a indicar-nos o caminho!!

© Piedade Araújo Sol disse...

sous empre sol mesmo em dias cinzentos, sou sempre um barco a rumar nos azuis.
por vezes nem sei comentar a poesia de Eufrázio, tanto que me diz.
mas, gostaria que o autor lesse este poema ao contrário, ou seja de baixo para cima.
também pode ser lido dessa maneira!
não lhe tira o sentido e fica excelente também.
muitos parabéns e que nunca lhe falte esse dom de navegar ao sabor das palavras.

:)

anamar disse...

Lido em voz alta...

Bj

heretico disse...

e pelas "nesgas do Sol" se faz dia...

abraço fraterno, Poeta.

Lilá(s) disse...

Duma sensibilidade imensa!
Bj

Anna disse...

Um poema tão quente, tão cheio de sol a refulgir, na água das palavras...

Beijo.

Laura Santos disse...

Belíssimo poema!
A serenidade do caminho dos barcos, num chão de água feita poesia por uma nesga de sol.
xx

Janita disse...

Neste chão lodoso que pisamos, todos procuramos una nesga de sol que nos aqueça a alma!
Já nada cai do céu - Nem os relâmpagos!

Muito interessante a sua escrita, poeta. Embora nas entrelinhas, está tudo aí!!

Beijinhos

tb disse...

Uma nesga de sol e a Primavera nasce...
Belo!
Abraço.

Isa Lisboa disse...

Em dias de nevoeiro, navaga-se devagar, até que venha o sol....

Majo disse...

~
~ Tanto na escuridão, como na solidão, uma nesga de sol pode ser admiravelmente brilhante e muito incentivadora.

~ Abraço amigo, com votos de agradável fim de semana.
~ ~ ~

DIOGO_MAR disse...

Tudo por uma nesga de sol, para alimentar a seiva de uma planta chamada esperança, indissociável da felicidade!

http://diogo-mar.blogspot.com/

http://rasgarosilencio.blogspot.pt/

jrd disse...

Há-de chegar ao cais se seguir a nesga de sol à flor das águas.

Abraço poeta irmão

Agostinho disse...

O barqueiro em versos remados
procura a rima da primeira
praça perfeita e soalheira
o perfume grado de mil
nos cravos vermelhos de Abril.

Teresa Almeida disse...

É de quem segura o lema na demanda de novas paragens.