quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

QUASE (E)TERNOS







A deshoras
vi barcos soltos
perdidos de azuis
e outros mares

colhiam beijos sem mácula
num afago de limos

amarados ao vento
inscritos nas paredes do cais
cumpriam uma rota
contra todos os destinos

quase (e)ternos
a desvendar palavras
em pleno voo

menos livres
que os pássaros


20 comentários:

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

Só não sei se eram menos livres, mas todo o poema está gritantemente belo!

E a gravura é lindíssima!

Um abraço

Majo disse...

~
~ Gosto deste imenso e (e)terno azul...

~ ~ ~ B e l í s s i m o! ~ ~ ~
~ ~ ~ ~

Existe Sempre Um Lugar disse...

Bom dia, sua poesia na minha opinião é cativante, é curta e de fácil interpretação, assim sendo, não se torna enfadonha.
AG

vendedor de ilusão disse...

Magnífica gravura de tela; adorei, assim como adorei o teu lindo poema!
Abraço.

EU disse...

Pelos barcos seguimos viagem.
:)

jrd disse...

Quase eternos mas sempre ternos, os teus barcos.

Um abraço Poeta

Ailime disse...

Quase e(ternos) no cais de partidas tantas vezes sem retorno!
Muito belo o poema e uma imagem lindíssima!
Bjs
Ailime

Laura Santos disse...

Lindo!
Tudo o que vale a pena, acontece sempre fora de horas...:-)
xx

NAMIBIANO FERREIRA disse...

A liberdade dos pássaros sempre nos fascinou...
Caro poeta, há uma bendita loucura marinha na sua poesia que me prende e consola, eu tambem adoro o mar.

Pata Negra disse...

viva a tua água, teu sangue e o teu verso, teu sal...
boa ondulação, bom voo

heretico disse...

barcos a deshoras soltando amarras

e a derramar azul no voo dos pássaros

Abraço, meu caro Poeta

Graça Pires disse...

Os barcos. O afago dos limos. As palavras em pleno voo... Tão belo!
Beijo.

Agostinho disse...

Brutal este Mar. Sempre arável pelo poeta: Magnificientemente há mastros que emergem no azul.

Ana Tapadas disse...

Ah...poema que é «beijo sem mácula»!

bj

Arco-Íris de Frida disse...

Menos livres que os passaros... e mesmo assim contra todo os destinos...

Rita Freitas disse...

Inspiradora esta rota contra todos os destinos.
bjs

SOL da Esteva disse...

Magnificamente "cantados" e quase (e)ternos.
Parabéns, Amigo


Abraços



SOL

© Piedade Araújo Sol disse...

barcos a rasgar azuis
e
pássaros em seus voos iguais
poeta
do azul e do mar

muito belo

:)

Teresa Almeida disse...

Palavras que cortam todas as amarras para se fazerem viagem.
Beijinho meu.

Suzete Brainer disse...

Menos livres que os pássaros,
mas sobre o azul libertador
de sentires...
colhi deste poema um sentir
de liberdade e desapego
encantadores.Voe nas asas
da tua sublime poética!
Bjo.