segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

A NOSSA ROMÃ ( 8 )



 

 
 
 Com um dedo escrevi palavras nos teus lábios e tu disseste que melhor seria falar por gestos. Foi assim que decidimos navegar abolir todos os destinos agitar as águas.
Gáveas ao alto âncoras levantadas vigílias abertas sem vírgulas - aqui neste chão de claridades - recomeçaram os sons de Tchaikovsky e as sombras vivas dançaram na luz vertebrada dos pavios para os objectos mais íntimos se projectarem nas paredes do cais.
Desiguais pensávamos nos apeadeiros. Reconhecíamos que a gravidade das luas não é homogénea muito menos os seus impactos quando relampejam nos nossos olhos às mãos cheias.
No mais claro das noites trazias mares no regaço. Difícil foi deixar nas ameias o perfume das algas o marulhar das marés.
Na verdade bastava um toque à flor da pele atear um fósforo só para te ver infinitamente grande ventre de grânulos vermelhos a respirar por guelras em todos os mastros - como se fossemos de novo crianças a rasgar caminhos e as flores pintadas à mão renascessem nesta desordem de cores nos jardins.
 
 
 

27 comentários:

jrd disse...

Quando o Surrealismo se beija com as mãos e se escreve com os lábios.
Excelente meu caro Poeta.

Laura Santos disse...

Um texto estrondosamente maravilhoso!
Onde se aprende a escrever assim?!...:-)
xx

JP disse...

Falar por gestos ou...falar nada. Na verdade bastava um toque à flor da pele....


Abraço

Lídia Borges disse...


A linguagem pela linguagem...
E a surpresa luminosa do não dito.


Um beijo

OUTONO disse...

...uma beleza, que se descodifica numa leitura apelo!
Abraço!

Pérola disse...

Uma desordem bela e muito ordenada.

Beijinhos primaveris

tulipa disse...

Há tempos que não comento aqui...

peço desculpa

pela minha ausência

espero regressar em breve!

Lindo!
Bjs

http://pensamentosimagens.blogspot.pt/

Maria Eu disse...

Tecer hinos à magia dos gestos com a força das palavras!
Lindíssimo texto!

Beijinhos Marianos! :)

Sónia M. disse...

Pensei em não comentar.
E deixar-me ficar, pelo gesto demorado dos olhos, em cada palavra.

Tanta beleza neste texto!
Beijo

www.amsk.org.br disse...

Gostava de pintar flores. Margaridas do campo.

bj grande

O tempo das maçãs disse...

Difícil foi deixar nas ameias o perfume das algas o marulhar das marés.

Onde os gestos não chegam, entra a maestria do poeta.Digo isso totalmente rendida a sua poesia.É belíssima.Obrigada por isso.

deep disse...

Belo. :)

Bom resto de semana

quem és, que fazes aqui? disse...


Sem dúvida, a romã mais linda que já vi/li...

Beijinho

ana disse...

Muito bonita esta história em 8 cantos.:))

Janita disse...

Tarefa espinhosa comentar tão bela romã! Quase tão difícil como abandonar o suave ruído das marés e o perfume das algas que nos traz a maresia.
Sem atear mais esta fogueira, fico-me pelo toque à flor-da-pele e o desejo de voltar a ser criança colorindo as margaridas, sem me importar com a desordem das cores...
Parabéns Poeta, bafejado pelos Deuses!

Um grande abraço.

GL disse...

Saborear, quero apenas saborear!

Maria Luisa Adães disse...

E a beleza das palavras
se aproxima sempre e cada vez mais, do
Todo Universal!

Belo!

Maria Luísa (os7degraus)

Laura Ferreira disse...

que bela prosa...

Agulheta disse...

Belas são as palavras ditas,que só com sabor a romã se saboreiam.
Beijinho

Olinda Melo disse...


...ventre de grânulos vermelhos a respirar por guelras em todos os mastros...

Romã atrevida e mágica! Onde já se viu? E aqui me quedo pensativa...

Abraço

Olinda

heretico disse...



... sons de Tchaikovsky levantando as marés.

belíssimo, Poeta.

abraço fraterno

© Piedade Araújo Sol disse...

falar por gestos, ou apenas por olhares, para poder saborear melhor os sons de Tchaikosky e as cores....

belo texto!

:)

teresa dias disse...

Está cada vez mais sumarenta esta romã.
Lindo!

Cristina Cebola disse...

Mais uma romã para contemplar...sentir e deixarmo-nos deslumbrar...
Simplesmente maravilhoso...:)

Ailime disse...

Belíssimo texto poético!E é urgente ordenar e colorir os jardins. Bj. Ailime

marlene edir severino disse...

"No mais claro das noites trazias mares no regaço. Difícil foi deixar nas ameias o perfume das algas o marulhar das marés."

Desapego é para os fortes, poeta!

Abraço carinhoso!

Suzete Brainer disse...

Simplesmente sublime!!

Neste mar de metáforas,a

beleza irradiante

transcende aos olhos...

A imagem escolhida então...