quinta-feira, 3 de outubro de 2013

AINDA HOJE TE CHAMO ESCARPA



                                                 "CHÃO DE CLARIDADES" colectânea  (2008/2012)



Inesperada uma lágrima
na rebentação das águas
fez-me andar eternidades
silêncios de carne e osso
à pergunta dos teus relâmpagos

inverosímil lá estavas
íntegra
a dedilhar uma pedra
nos passos da areia

num afago de mãos
a colher o perfume silvestre
das maresias

tinhas um cristo
cruxificado nos olhos
e eu não sabia
se te chamavas pedra
barco flor ou pássaro

ainda hoje te chamo escarpa


 

25 comentários:

Rogério Pereira disse...

Neste meu regresso
(re)ler-te é um previlégio

M A R I A disse...

Li este poema como se fosse para mim. Eu sei que todos lemos poesia como se fosse para nós. A poesia tem esse dom de nos individualizar sob uma alma realmente única .
Uma escarpa antes de tudo é pedra e com pedras se fere e é-se ferido, mas também são de pedra as construções mais sustentáveis.
Adorei. Guardei -o entre os meus achados poéticos da actualidade , acrescentei o url do blogue e a data e por várias vezes reli e deliciei-me com tamanha arte, parabéns!

quem és, que fazes aqui? disse...


Ó Mar! Este foi, sem dúvida, o poema que mais me tocou!

Obrigada!

Beijo

Laura

trepadeira disse...

Como é bom colher perfume silvestre.

Abraço,

mário

O tempo das maçãs disse...

A escarpa e o mar... Um encontro doloroso.

Lídia Borges disse...


Num afago, nomear as coisas como quem as despe de artifícios.
Eis a "claridade"!


Um beijo

tb disse...

Amo as pedras e por isso, escarpas. e os poemas...
Abraço!

lis disse...

Chamas-me como quiser poeta e ficarei daqui distante e embevecida .
Amo os poetas.

Pérola disse...

Uma lágrima transformada em escarpa?

Que poesia bela e original.

Beijo

GL disse...

Tenho uma dificuldade imensa em comentar poesia. A poesia sente-se (ou não), apenas isso.
Dizer que gosto? É pobre, muito pobre!

Abraço.

heretico disse...

"Mães-coragem", essas!...

forteabraço, meu caro Poeta.

Suzete Brainer disse...

Um caminho precioso,delicado

de aprofundar os passos

no chão de claridades( sentidas)...

De uma beleza comovente!

Bj.

Jane Gatti disse...

Belíssimo! Abraços.

Silenciosamente ouvindo... disse...

Como sempre muito boa poesia.
Bj,
Bom fim de semana.
Irene Alves

ana disse...

Mar Arável,
Escarpa é um bom nome.
Muito interessante e com um registo diferente.
Abraço. :))

Ana Tapadas disse...

É um grande Poeta, já lho disse!Este poema é uma prova disso.

(Falo, hoje, profissionalmente)


Bjs e bom Domingo

Justine disse...

Que importa o nome que se dá ao amor, à vida, à poesia?? Muito belo!

Sónia M. disse...

Um poema para ler e sentir...

Beijo

carlos pereira disse...

Caro Poeta;
Apenas uma palavra para este poema: NOTÁVEL.
Gostei muito.

Cadinho RoCo disse...

Dos mistérios aos versos o lirismo de quem sabe não saber de instantes tão mágicos.
Cadinho RoCo

The Perfect Stranger disse...

por não saber poesia, vivo a poesia.

tu és. poeta.

poeta. ponto. ponto.
AMEI


OceanoAzul.Sonhos disse...

Belíssimo, poeta.

abraço
cecilia

Olinda Melo disse...


Que dizer, Mar Arável?

Sabe como admiro a forma como faz uso das palavras, como 'dedilha' metaforicamente as ideias, produzindo alegorias que é um espanto. É o que acontece com este poema.

Obrigada por nos proporcionar estes belos momentos de leitura.

Abraço

Olinda

Cristina Cebola disse...

Um dos Poemas mais belos, que li ultimamente...Parabéns!!

Bom fim de semana!!

Maria João Mendes disse...

Ainda hoje,és dor
da dor que me foste

existem memórias que são espinhos eternos.

intenso!

beijinho