sábado, 28 de setembro de 2013

A PROFANAÇÃO DAS METÁFORAS




                                          "A profanação das metáforas"
                                                                (publicado em 1994)



Desprendemos os céus de todas as preces
regressámos às dunas sibilinas
alados azuis milenares
e começámos a escrever em liberdade
verdades improváveis


 

25 comentários:

Isabel disse...

Às vezes faz falta poder acreditar...

Um beijo!

GL disse...

Metáforas.
De que resultam outras metáforas.
Metáforas de si próprias.
Não é profanação, é arte.

Alexandre de Castro disse...

Profanar as metáforas é o ofício do poeta. Só assim poderá alcançar as verdades improváveis.

trepadeira disse...

Vamos continuar a escrever em liberdade, com a luta, nas ruas destes país, hoje, também nas urnas.

Abraço,

mário

Lídia Borges disse...


De "verdades improváveis" ou de prováveis mentiras se faz a literatura.
"Escrever em liberdade", eis o verso mais brilhante.


Um beijo

jrd disse...

Porque a verdade vai acontecer um dia.
Abraço

Maria João Mendes disse...

Talvez porque, a verdade improvável
Se torne provável aos olhos de alguém
Como o começo,
Na crença inventamos o meio
Sem fim.

gostei do poema

Beijo

lis disse...

E isso é bom e bonito
_ desatar laços se aventurar em 'mentiras' sinceras, com liberdade,
deixo abraço

Ailime disse...

Lindo! Com verdade e liberdade. Bj Ailime

Ana Tapadas disse...

Uma reedição necessária!

bjs

:.tossan© disse...

O teu texto é poesia pura!

Armando Sena disse...

De improváveis verdades a certezas impossíveis. Assim os dias de hoje.

A. disse...

... e agora, 19 anos depois, a profanação das metáforas volta a ser visível, por ser tão visível a falta que uma cultura literária faz!... A partir de hoje, já nada é improvável, pese embora a falta de cultura de respeito pela Liberdade!...
Já não há quem compreenda as metáforas, já não são necessárias, tudo pode ser apregoado com toda a simplicidade mais limitada da Linguagem e pensamento, seja ele qual for!...
É quase frustrante!...


Abraço

Branca disse...

Nunca há aqui um poema que me diga menos que outro, alguns sinto-os apenas, não os sei comentar, sob pena de estragar a força da sua mensagem.

Beijos

O tempo das maçãs disse...

E eu só posso concordar...

Beijo.

Silenciosamente ouvindo... disse...

Às vezes precisamos de utilizar
as metáforas...
Bj.
Irene Alves

manuela barroso disse...

E o Invisível importuna.
Abraço

ana disse...

Mar Arável,
Improváveis?
Talvez.
Gostei desta nudez das palavras.
Abraço! :))

Vieira Calado disse...

A liberdade dá para tudo, não é?
Um abraço!

Bandys disse...

A liberdade nos liberta!

Beijos

Pérola disse...

As metáforas também podem ser profanadas.

As verdades são sempre improváveis, quer-me parecer.

beijo

OUTONO disse...

...uma profanação necessária na leitura da lei do poeta livre!
Abraço!

Cristina Cebola disse...

Profane, porque quem o lê agradece...:)

Cristina Cebola disse...

Profane, porque quem o lê agradece...:)

je suis...noir disse...

Estes poemas mais pequenos também dizem muito:)