terça-feira, 2 de outubro de 2012

UM CHÃO DE ESTRELAS





Solta de cores
participa espontânea
na construção de linguagens
a preto e branco

No Outono a minha árvore preferida
fica mais leve de palavras
chega a passo
desnuda-se da folhagem
para desafiar o vento
a soletrar hinos incomensuráveis
pelos dedos

vem habitar
um chão de estrelas


 

37 comentários:

Licínia Quitério disse...

Lindo o teu chão de estrelas. Feliz Outono!

lino disse...

Belíssimos, poema e imagem!
Abraço

Lídia Borges disse...


A "construção de linguagens a preto e branco" é de uma realidade pungente.

Belíssima metáfora!

Um beijo

Sandra Subtil disse...

E esse chão de estrelas pode proporcionar o aparecimento do arco-íris, emprestando a sua luz às gotas de chuva que aparecem no outono da vida.
Beijinho

trepadeira disse...

Na construção de linguagens que,no Outono,são sempre de amor.

Abraço,
mário

Jorge disse...

Parece banal dizer que é bonito mas é! De verdade!

Benó disse...

O outono é assim, árvores despidas chão atapetado de folhas, cores lindas, cheiros de marmelada, geleia, doces. Adoro Setembro e adorei o poema.

Mel de Carvalho disse...

nas cores de outono, são as palavras ainda, armas contra a nostalgia dos dias que tendem a escurecer.


sempre um prazer lê-lo, Eufrázio.
abraço daqui

Mel

maria teresa disse...

Este é o teu chão de estrelas!
Agora entendi...
Abraço meu

Flor de Jasmim disse...

Um chão de estrelas onde haverá uma lua e a sua luminusidade dará mais brilho a esse Outono.

Beijinh e uma flor

Graça Sampaio disse...

Linda balada de outono num degradé de linguagens a preto e branco. Muito bonito!

ana disse...

Mar Arável,
O poema é maravilhoso.
Dos mais bonitos que tenho lido sobre o Outono.
Parabéns.
Beijinho.:)

Sónia M. disse...

Lindo!
É sempre um prazer lê-lo!
Beijo
Sónia

Rita Freitas disse...

Quero conhecer essa árvore, deve ser linda :)
Abraço

Anónimo disse...

as cores de outono, são as palavras ainda, armas contra a nostalgia dos dias que tendem a escurecer.


sempre um prazer lê-lo, Eufrázio.
abraço daqui

Mel

Marisete Zanon disse...

Lindíssimo!!! Adorei!!!
Bjos!

Hanaé Pais disse...

Como os caminhos não são únicos, que os novos passos que chegam,
possam Sempre soletrar hinos
incomensuráveis, na dança dos dedos...
Dias repletos de musicalidade nas palavras para si e para quem o acompanha neste novo Outono.
Muitas felicidades.

Graça Pereira disse...

Um poema MARAVILHOSO...até fiquei a gostar mais do outono.
Beijocas
Graça

Parole disse...

Lindo!


Beijo.

Maria João disse...


Elevadas no vento, as palavras, podem vestir o céu, de novo, com a cor que sonhamos.

Um abraço, Eufrázio

:.tossan® disse...

Lindo demais! Saúde

Canto da Boca disse...

De fato, as palavras têm peso, leveza, sabor, e ainda o poder de construir uma linguagem simbólica, cheia de sentidos e de afetos, num amplo campo de ações.
E, se, em pleno Outono, conseguem imprimir linguagens em outras nuanças, soletrando-nas em preto & branco, que descrevam pois, todas as estrelas que salpicam o chão da sua sempre bela poesia!

marlene edir severino disse...

E o chão de estrelas

Serão aquelas que pisamos?

Abraço!

marlene edir severino disse...

E o chão de estrelas
(belo!)

é o mesmo que pisamos?

Abraço, poeta!

Silenciosamente ouvindo... disse...

Um chão de estrelas...gostei.
E gosto muito do Outono.
Beijinho
Irene Alves

Zé Povinho disse...

Também o Outono tem a sua beleza...
Abraço do Zé

vieira calado disse...

Um belo poema!

Abraço!

Vento disse...

... e a imagem é de tal maneira forte que as palavras perdem o equilíbrio na falésia dos dedos
... ouves por entre as folhas que se desprendem dos galhos a melodia?!

o teu "chão de estrelas", tão lindo!

Maria João Brito de Sousa disse...

Só a beleza de um poema para me fazer esquecer, por instantes, o desentendimento muito pessoal que tenho com o Outono, desde que último Inverno quase me matou de frio... ando com os pés demasiado assentes no chão... mas sei que ele está cheio de estrelas.

Abraço, Mar Arável!

Justine disse...

Mais leve de palavras mas não menos expressiva!

Ana disse...

Palavras - estrelas !

Sara disse...

Desnuda-se para desafiar. Quantos terão a coragem desta nudez?

O outono, de que gosto pouco, torna-se mais belo pelas suas palavras, Eufrázio. Obrigada por isso.

MAR disse...

Piso de estrellas...sueños de Paraíso y Cielo...muy bello.
Mis cariños para ti.
mar

Olinda Melo disse...


Lindo esse chão de estrelas, chão de pérolas, que enfeitam os nossos dias de beleza e claridade.

Boa semana.

Abraço

Olinda

BRANCAMAR disse...

E que estrelas eu tenho perdido por aqui!

Mas, hoje apanhei-as todas.

Beijos

deep disse...

Muito bonita esta forma de sentir e expressar o outono.

Bom domingo. :)

mundo da lua disse...

queria copiar a melhor parte do poema aquela que mais me tocou...


"Solta de cores
participa espontânea
na construção de linguagens
a preto e branco

No Outono a minha árvore preferida
fica mais leve de palavras
chega a passo
desnuda-se da folhagem
para desafiar o vento
a soletrar hinos incomensuráveis
pelos dedos

vem habitar
um chão de estrelas"