sexta-feira, 26 de outubro de 2012

CHUVA NA BOCA DOS AMANTES






Transumantes de silêncios
filtram ventos
na folhagem
latidos de cães
nos mastros ancorados

temperam relâmpagos
com arremesso de pedras
aos pássaros

apascentam desertos
povoados de estrelas
legitimam os céus

Herdeiros de silencios
afloram
paletas de searas
dão de beber às fontes
às pedras esculpidas

à chuva
na boca dos amantes


 

23 comentários:

Rogério Pereira disse...

Gostava de usar as palavras certas
Que dessem de beber às pedras

...mas teu poema o consegue!

elvira carvalho disse...

Gostava de ter engenho e arte para comentar os seus poemas. Infelizmente não tenho. Assim limito-me a senti-lo.
Um abraço e bom fim de semana

Vento disse...

rendo-me à tua sapiência, Eufrázio
um abraço.

Rita Freitas disse...

Algo de muito profundo e forte se sente, ao ler este poema.

Bjs

trepadeira disse...

Toda a fantasia e loucura,à chuva na boca dos amantes.

Um abraço,
mário

maria teresa disse...

No silêncio dos amantes é possível sentir-se, "ler-se" tudo...
Abracinho meu

Tania regina Contreiras disse...


O título, por si só, já é um poema, belo e inteiro...
Abraços,

Olinda Melo disse...


Mar Arável

O título deste poema 'Chuva na boca dos amantes' e o primeiro verso 'Transumantes de silêncio' já são de si, motivos suficientes para nos quedarmos aqui enamorados das suas palavras. E nesta transumância poética acredito que até as estátuas ganharão vida.

Abraço

Olinda

jrd disse...

Porque até as pedras têm sede de amor.

Abraço

Justine disse...

Muito belo e cheio de caminhos...

Lídia Borges disse...


Um sabor amargo serpenteia, silencioso, por entre as estrofes.
Senti-o.

Lídia

Jorge disse...

Cada palavra uma imagem! Maravilhoso!

ana disse...

Gostei da comunhão da escultura com o poema.
Beijinho. :)

Gisa disse...

Adorei tua poesia. Fico.
Um grande bj

marlene edir severino disse...

Denso

alguns mistérios
que tento desvendar

Belo, belo!

Abraço, poeta!

heretico disse...

poema envolvente - como a chuva na boca dos amantes...

abraço, meu caro Amigo

Fernando Santos (Chana) disse...

Belo poema...Espectacular....
Cumprimentos

vieira calado disse...

Bem esbelto, este seu poema!

Saudações poéticas!

Canto da Boca disse...

Eros despertando Psique com um beijo de amor, tudo aqui recende poesia, da imagem, ao título, passando pelas metáforas do poema, mas ,gostei sobretudo, da imagem que fizeste brotar de mim, nessa estrofe do seu poema:
"Herdeiros de silêncios
afloram
paletas de searas
dão de beber às fontes
às pedras esculpidas", ninguém morre de sede quando bebe a sua poesia, Eufrázio, ninguém!

Beijo!

tb disse...

Salvam-se as pedras...

Sónia M. disse...

Ouço a chuva...em silêncio...

Deixo um beijo
Sónia

manuela baptista disse...

latidos de cães

a cortar o silêncio e a chuva a cruzar as pedras do mar

os amantes

um abraço

Leonor Lourenço disse...

Gosto dos seus poemas, possui sem dúvida sensibilidade poética. Também tenho alguma poesia à espera de "sair do armário. Talvez um dia...Beijo de amizade e obrigado. leonor