segunda-feira, 23 de abril de 2012

QUE FARÁS DE TI?




                                                           Publicado no meu  PARA LÁ DO AZUL

Ainda não estávamos no tempo das vindimas, nem da fuga das andorinhas. Estávamos a regar uvas de mesa para te oferecer numa bandeja de lua cheia - mas tu estavas no paraíso dos silêncios a aprender - a prender ou a soltar amarras de barcos a voar com o próprio voo ou a cortar asas aos pássaros, sem teres espreitado o belo precipício das lindas tempestades - onde só cantam livres alguns fios de música quando lhes morde a voz.

As uvas estavam verdes, o tempo incerto e o chão íngreme já te desafiava em revérberos num torvelinho de rotas.

Quando vencemos o teu cordão umbilical, despertámos para uma certa revolução de estrêlas e ninguém sabia o que era uma revolução de estrêlas.
Talvez um dia saibas que as estrêlas podem brilhar no chão que pisamos, conforme as marés - que todas nascem, crescem e regressam como pêndulos a outras florações.

A lua não estava cheia, as uvas estavam verdes, as andorinhas só regressavam à noite e tu deste um grito que estilhaçõu  todos os silêncios.

Não foste um silvo de barco, nem um mar a rasgar escarpas, nem sequer o delicioso florir de uma araucária. Foste tu  e já é tanto.

E agora? Que farás para a água te lavar os pés? Que farás para o mar não te abandonar? Que farás para te conquistares? Que farás para as uvas amadurecerem e as andorinhas regressarem?

Que farás de ti, pelas outras estrêlas?



44 comentários:

Rogério Pereira disse...

Perguntas bem, poeta,
que farei?
Perdi-me num caminho
e, pior, perdi o tino

Mas, sem desespero,
sei que os irei reencontrar
Não deve tardar

(ainda acabo por comprar todos os teus livros, meu amigo)

www.amsk.org.br disse...

Beijos nossos pelo bom gosto,
por teres sobrevivido,
por estares aqui.

as cozinheiras

Sónia M. disse...

Não terá o mar já evaporado?
As uvas, essas mesmo verdes, comeram-nas os corvos, não há vindima...e até os gritos...já não se ouvem. Ficaram abafados pela ausência das andorinhas!
Bom seria que os gritos que se ouviram, ainda hoje fizessem eco...

Bj
Sónia

Lídia Borges disse...

«- Vivemos entre os homens,ajudemos os homens.
- E que faz o senhor para isso?
- Conserto-lhes os sapatos, já que nada mais posso fazer agora.»

José Saramago, in "Clarabóia"


L.B.

Secreta disse...

Por vezes vemo-nos sem respostas...
Que fazer?
...
Beijito.

lino disse...

A intimidação já começou: "a PSP vai aplicar a tolerância zero nas manifestações do 25 de Abril"!
Abraço

trepadeira disse...

Em todas as lutas para trazer,de novo,ABRIL.

Um abraço,
mário

São disse...

Não sei o que fará, mas espero que faça o necessário!!

Beijinhos, amigo meu

Nilson Barcelli disse...

Cada vez temos menos respostas.
Para as tuas perguntas e para o ataque organizado e frio ao 25 de Abril e ao que ele reprenta. Mais uns meses e pode estar completamente descaracterizado. Num verdadeiro golpe de estado numa ditadura democrática.
E nós sem respostas...
Gostei do teu post. Um texto muito bom.
Abraço.

jrd disse...

Que faremos de nós todos, juntos, unidos como os dedos das mãos? Abraço

Rúbida Rosa disse...

Para lá do azul um céu de dúvidas.
Eu já sei o que farei delas: estrelas para iluminar o caminho!

Lena disse...

Tanta pergunta
e "Que farás para te conquistares "
Não sei se o povo estara pronto para sair a rua...para sair das profundidade onde ele se encontra.

Bjos

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Uma excelente pergunta, de resposta nada fácil...
Entretanto, aproveito para lhe apresentar o meu novo blog, só dedicado a crónicas e historietas:

http://cronicasontherocks.blogspot.pt/
Por acaso, começo hoje a escrever sobre o meu 25 de Abril

BRANCAMAR disse...

Querido amigo,

Apesar de ter comigo "Para lá do azul" e poder saborear e reler poemas tão imensos como este, não consigo dizer nada, porque em vésperas de 25 de Abril de 2012 este poema único e imensamente belo ecoa em mim mais forte que sempre e deixa-me com um mar imenso no olhar, de sabor a sal...mas com a esperança de que as estrelas brilhem nas armas da repressão silenciosa, que muitos teimam em não ver...porque subtilmente silenciosa, mas avançando passo a passo, largamente.

"Que farás de ti, pelas outras estrêlas?" - uma pergunta inquietante.

Beijos
Branca

Vento disse...

... eu sei lá,
Liberdade...!

... é quase amanhã!


um beijo meu, Mar.

elvira carvalho disse...

Uma boa pergunta amiga. Mas a que não sei responder. Velha e doente, as forças gastas pela vida de miséria que passei por longos anos, me faço a mim mesma essa pergunta.
Um abraço

maceta disse...

talvez continuar a sonhar ou, pelo menos, ter vontade...

Irene Alves disse...

O Nilson disse tudo. Mas aquilo que
mais me irrita foi a esquerda ter
ajudado Passos Coelho a ser Primeiro-
-Ministro.Sabia-se que o Sócrates
não era bom, mas viria pior - e veio.
E agora? O povo parece ainda não
estar bem consciente/ou dividido...
então quando já nada restar do
25 de Abril poder-se-á dizer que
há democracia, só que "uma outra
democracia"...
Realmente o Nilson disse tudo...
Aquilo que mais me preocupa são
os jovens casais com filhos ambos
desempregados(tenho na família)
e gostava de ver os portugueses
mais activos, menos resignados...
A Comunicação Social está totalmente
controlada, qualquer dia serão os
blogues...
Eu não tenho medo das ameaças do
Governo e tenciono amanhã participar.
Bj.
irene

Mar Arável disse...

Dona Elvira estimada amiga

este mar tem barbas
Bjs

Dona Irene

tem razão quando diz que o PS
ao demitir-se da esquerda
entregou o poder à direita

R. disse...

O que faremos todos nós para que Abril se cumpra.

Um abraço e votos de um Abril para sempre!

manuela baptista disse...

a lua é nova,

as uvas ainda não são, as andorinhas já as vi por aí

é como se tudo estivesse no princípio outra vez

como as perguntas

um abraço

heretico disse...

caminhemos, Poeta. que bem sabemos que o "caminho se faz ao andar..."

e as uvas amadurecem sempre - quando seja a hora!

belissimo poema, meu amigo.

abraço de Abril

Sonhadora disse...

Tantas perguntas e sem resposta...que acordemos todos e a esperança volte novamente às nossas mãos para poder segurar o cravo que já não é tão vermelho.

Um beijinho
Sonhadora

ana disse...

Mar Arável,
Um dos textos mais belos sobre o 25 de Abril de ontem e de hoje, que li nos últimos tempos.

Um Abril que tarda em acordar de novo.
Será que o mar "lavará os pés?" que as andorinhas irão regressar?
Que tragam, então, os cravos...
Beijinho e bom dia da Liberdade!:)

mdsol disse...

Sempre!

Rita Freitas disse...

Acredito que a consciência de um povo tem muito poder. Se esta consciência acreditar que "as estrelas podem brilhar no chão que pisamos" talvez ouçamos "um grito que estilhaçou todos os silêncios".

Lindíssimo...

Beijinhos

AnaMar (pseudónimo) disse...

Juntos faremos tanto!

um dia havemos de reinventar Abril....Hoje é o dia! (Amanhã, também:-)

VÉU DE MAYA disse...

Ah, poeta!

sem esperança nem desespero. Mas isto está a ficar muito murcho...
E sem liberdade não se pode viver.
Que cada um dê o seu contributo. Vamos acreditar na força da vida.

Abraço,

Véu de Maya

poetaeusou . . . disse...

*
meu amigo,
,
gritado texto,
que me obriga a perguntar,
plagiando o Sérgio,
não me digas
que não me compreendes,
e não sentes aquela raiva nos dentes ?
,
que lavrada prosa,
num lavradio de palavras.
senti a maresia das uvas,
iodoando as andorinhas !
,
aquele abraço, fica !
,
*

Anónimo disse...

________________________________

...os ciclos abrem-se e fecham... É preciso estarmos atentos à indumentária que iremos usar no próximo baile...


É sempre um prazer imenso ler as suas letras!


Beijos de luz e o meu carinho!

Zélia(MundoAzul)

____________________________

:.tossan® disse...

É tão diferente e real como sempre. Bj

Mel de Carvalho disse...

"Quando vencemos o teu cordão umbilical, despertámos para uma certa revolução de estrelas e ninguém sabia o que era uma revolução de estrelas."

Impõe-se, de novo, e novamente, o despertar para as coisas raras e singulares.

Meu bom amigo, que se não percam, jamais, as alvoradas de Abril e o Maio não finde antes de ter amanhecido.

Bem-haja, sempre!
Abraço daqui
Mel

mfc disse...

Onde estão hoje essas lindas estrelas que um dia brilharam para nós?!
Onde estão...?!

Secreta disse...

Tem um bom fim de semana :)

Olinda Melo disse...

Uma revolução de estrelas e ninguém sabia o que isso era...E as estrelas também brilham no chão que pisamos...

Bela metáfora, Poeta!

Abraço.

Olinda

Irene Alves disse...

Sim amigo, temos que estar com
os olhos postos em Maio.
Desejo que esteja bem.
Bj.
Irene

Pata Negra disse...

Há sempre uma estrela com o teu nome e o teu nome estará sempre em todas as noites que desaguem em madrugadas de cravos...
Um abraço em abril

The Alchemist disse...

aproveitando a maré para responder tanta gente aqui que já não me lembrava.
estou longe mas ainda na europa, não esqueço o 25 de Abril.

obrigado pela visita.
foste tu e já é tanto.
amei.
grande beijo de Abril

Evanir disse...

Podemos prometer atos,
mas não podemos prometer sentimentos...
Atos são pássaros engaiolados,
sentimentos são pássaros em vôo.
(Rubem Alves)
Pedindo desculpas pelo meu afastamente
nas visitas infelizmente foram alguns dias de muita
tenssão.
Eu aprendo todos dias, me espelho em outras
pessoas: Não dá pra fraquejar, quem é guerreiro
jamais entrega a Luta..
Deus abençoe grandemente seu final de semana beijos
no seu doce coração.
Evanir..

carla disse...

Por vezes é nas perguntas simples que não se consegue encontrar as respostas.

Desejo-te um bom fim de

semana,beijos


Carla Granja

http://paixoeseencantos.blogs.sapo.pt/

Sara disse...

Gostei muito da interpelação, Eufrázio. "Que farás...?" Qua fará cada um de nós? Que farei?
É verdade, muito depende de cada um de nós.
Um abraço de boa semana.

Sandra Subtil disse...

Façamos de novo o grito soltar-se.
o povo passivo viverá sempre oprimido.
Excelente texto.
Beijo

Genny Xavier disse...

Caríssimo,

Todas as coisas tem seu tempo... E eu, que vivo tempos inquietos, sou chamada a fazer a travessia para além das palavras e redescobrir os sentimentos...

Meu corpo diz: Há um tempo para a luta, o trabalho e o esforço; Meus olhos sedentos dizem: Há um tempo para a novidade e para o que é surpreendente, quando o espetáculo da vida é brilho e luz; Meu espírito de mudança diz: Há um tempo de plantar, de florir e de colher...

Sigamos, pois, poeta, certamente haveremos de colher a uva no tempo da sua doçura.
Beijos,
Genny

Hanaé Pais disse...

Foste tu e já é tanto.
Um cravo vermelho a sorrir.