segunda-feira, 13 de junho de 2011

ETERNAMENTE A RESPIRAR



                                                       (publicado 2008 "que fizeste das nossas flores"


Nem todos os jacarandás
rebentaram em Maio
mas tu cumpriste
o ritmo das estações
contra o tempo que faz

Vestiste-te de púrpura
com cheiro a hortelã
sentaste-te no meu silêncio preferido
dedos esguios em flor a crescerem
nas teclas do piano

Nem todos os jacarandás
rebentaram em Maio
porque não existem horas para amar

porque é possível pintar
uma flor com a boca
na tua boca

e ficar assim
eternamente a respirar



40 comentários:

Rogério Pereira disse...

Numa data em que o novelo da memória me deu uma ponta para por ela puxar, interrompo isso com agrado para ler o seu escrever (também com data passada).

tecas disse...

Soberbamente belo!
«Nem todos os jacarandás
rebentaram em Maio
porque não existem horas para amar»
Todas as horas são boas para se amar.
Parabéns Mar Arável.
Bjito amigo.

Constantino, Guardador de Vacas disse...

São mais floridas as bocas em Maio
e não só o sol e o ré brotam dos pianos
com cheiro de jacarandá.


O Eufrázio escreve bem em qualquer mês.

folha seca disse...

Caro Eufrázio
Só um poeta consegue trocar as palavras de forma as recolocar no sítio certo.
Só um poeta consegue vestir alguem de púrpura a cheirar a hortelã. Só um poeta consegue dizer que "não existem horas para amar".
Quanto mais coisas consegue um poeta dizer? Quantas mais coisas precisamos nós de ouvir?
Abraço

mfc disse...

É sempre tempo para amar... de verdade!

Mirian Martin disse...

É no silêncio que conseguimos ouvir o coração e a melodia que ele nos toca. Talvez com cheiro de hortelã, talvez com as flores do jacarandá...

Jorge disse...

Poemas assim, são rebentos de Jacarandá!

anamar disse...

E...
sem folgo fiquei.
:)) poucos "cantam" tão bem o amor como tu.

Malu disse...

E sendo assim, amamos o tempo todo... pois o AMOR é quem nos faz respirar.
Teu espaço é simplesmente delicado e encantador.
Abraços

Mel de Carvalho disse...

Eufrázio,
falar-lhe do quanto admiro a sua poesia já é redundante. Digo-lhe, ainda assim, que é, seguramente, da mais límpida que leio. Da mais bela. E que lhe sou (tão) grata nesta partilha.

Abraço, meu amigo
Mel

Parole disse...

Acho que nunca li algo tão lindo.

"Nem todos os jacarandás
rebentaram em Maio
porque não existem horas para amar"

E não existe mesmo...

Beijos

flor de jasmim disse...

Eufrázio
"Porque não existem horas para amar". Belissimas palavras.

Ama-se apenas porque se ama
não existe uma razão para amar
quando se ama tudo faz mais sentido
é o amor que ainda me faz respirar.
Beijo

jrd disse...

Ah! Poeta-jardineiro apaixonado...

Abraço

b disse...

Algo aí é tão nobre quanto o jacarandá.
Florido ou não.

Virgínia do Carmo disse...

Eu acredito que é possível.

Um abraço, Eufrázio

ana disse...

Mar Aravel,
Venho responder ao seu comentario na minha janela:

Pois, e este [poema de Anacreonte]foi me dado por acaso,
depois do acaso vou liberta-lo. :)

Cheguei aqui e nao ´´e o acaso que solta as palavras, nem foi por acaso que aqui cheguei, esse acaso ja foi ha muito tempo, felizmente, porque ´´e uma maravilha apreciar as suas flores.
Abraço!

Isamar disse...

Não há dias nem meses para cantar o amor. Lindíssimo poema!Um hino que vale a pena reler, reler, reler...

Beijinhos

Bem-hajas!

Graça Pires disse...

"Nem todos os jacarandás
rebentaram em Maio", mas rebentaram todos aqui neste belo poema...
Um beiojo, amigo.

© Piedade Araújo Sol disse...

pois, tem razão o poeta, não há tempo para amar.

um poema transbordante de ternura e talento.

um beij

R. disse...

Respirações que mutuamente se alimentam, rodeadas de púrpura e hortelã, só podem ser respirações felizes.
(Obrigada pela confidência. Sou incondicional do DMF e percebo a eventual afinidade que teve a fortuna de partilhar).

Lídia Borges disse...

Não há um tempo certo para a floração do amor.
Sempre uma forma muito própria na palavra expressa.

Um beijo

JPD disse...

Gostei do poema: bem escrito como habitualmente;
Gostei da vinda dos jacarandás à liça por serem exuberantes, alegres:
Gostei da entrega, do respirar, do beijo e da sua ilustração.
Bela edição.

Um abraço

OutrosEncantos disse...

"e ficar assim etermamente a respirar"

que poema lindo!

Eduardo Miguel Pereira disse...

Da forma mais honesta possível, deixe-me dizer-lhe que há muito não lia um poema que me tocasse tanto.
Belo, puro, inspirador e apaixonante.
Genial !

Obrigado por este momento sublime.

OceanoAzul.Sonhos disse...

Perfumado poema, em cor lilás.
Magnifico!
oa.s

Menina no Sotão disse...

De fato, maio passou de forma estranha, nem mesmo suas flores floresceram. Tanta coisa se ausentou de maio. Será que eu também o fiz sem perceber. É junho e as flores estão lá no vaso. rs

Gostei daqui.
bacio

Anónimo disse...

_________________________________

...que belo poema! Li-o algumas vezes...


Beijos de luz e o meu carinho!!!


Zélia (Mundo Azul)


____________________________

Rúbida Rosa disse...

Sigo toda essa beleza e (per)sigo-te desde já!
Abraços Poéticos!

João Ludugero disse...

Nossa que blog mais lindo! E cada post! Gostei demais! Já te sigo com alegria.
Quando puderes, visites o meu blog de Poesias. Se gostar e quiser me seguir, fique à vontade. Vou gostar de ter seus coments. Hiper abraço iluminado,
João, poeta.
www.ludugero.blogspot.com
Até mais!

deep disse...

Um poema muito belo. Parabéns. :)

partilha de silêncios disse...

Passei pelo seu jardim da vida, onde não há horas para amar,belo poema, como sempre.

um beijo

Mariz disse...

Não existir hora para amar é q faz dele o melhor dos momentos.

beijos!
Mariz

manuela baptista disse...

eu apenas sei respirar poemas de amor


sobram-me as palavras e os jacarandás estão em flor


um abraço

manuela

mitro disse...

Lindo!

(Eu gosto de pintar flores...)

Nilson Barcelli disse...

Excelente poema.
"Nem todos os jacarandás
rebentaram em Maio
porque não existem horas para amar"
Sublime. Gostei muito.
Caro amigo, tem um bom fim de semana.
Abraço.

oasis dossonhos disse...

Sempre bela esta (eterna e envolvente) poesia!
Abraço

Maria João disse...

Quantos roseirais se pintam com as palavras dos amantes e, assim, se fazem, também poema.

Um abraço

Canto da Boca disse...

Uma pena que nem todo tempo seja Maio, que nem todo tempo seja de amor, de amar, embora toda a gente necessite e no fundo, fundo, quem não tem ou não vive isso, gostaria de ter e de viver...

(Algumas vezes eu não tenho vontade de nada dizer, para não macular o seu poema, de tão lindo e inesgotável em sentimentos, que são!)

Maria Luisa Adães disse...

"E ficar assim

eternamente a respirar"

e perante tanta subtileza e beleza eu não digo mais...apenas, amei!

Maria Luísa Adães

Hanaé Pais disse...

Lindo!
Estava apaixonado!
Ela devia ser muito meiga e terna!