sexta-feira, 1 de abril de 2011

VIGÍLIA AO IMPROVÁVEL



Quando te despiste em flor

e revelaste a nudez

Abril despontou

não por dádiva dos céus

conforme as estações

nem pela fragilidade das sombras

muito menos porque o mar entendeu

ser uma plasticidade de azuis

Tão só porque trazias musical

o sangue tatuado

a noção de um rio

que se demora nas margens

Foi assim inocente

numa povoação de rotas e pontes

que te desnudaste

até à vertigem dos poentes amovíveis

Ainda hoje

de vigília ao improvável

aqui tão perto dos mastros

onde dardejam as nossas asas

apetece aflorar-te os lábios

com os lábios


44 comentários:

anamar disse...

Mas que beijo tão longo.................


:))agora, vai um meu :))

p.s. quando tentei comentar apareceu o iten de conteudo suscetivel de chocar, continuar ou não continuar ...
Este google não gosta da nudez...

OutrosEncantos disse...

pode o Mar ser bravo e por vezes destruidor, mas sempre que permite o acostar dos barcos no seu cais, todas as asas voam dos pardais para se aninhar nos seus azuis em maravilhosa poesia.
beijo, Mar.

d'Alma disse...

A fome de um beijo de primavera, da primavera que vive por um beijo!... O aflorar de todas as virgindades e de todas as flores!... Tão perto… tão dentro de nós, que nos cerca e nos toma!...



Abraço

flor de jasmim disse...

Eufrázio
Este bonito poema transmite-me, ou eu assim o entendo, palavras muito apropriadas aos momentos actuais!!! Vamos demostrar o nosso descontentamento e lutar sem tabus 25 de Abril deve e merece ser recordado e comemorado com dignidade. Peço desculpa se interpetei mal suas palavras.
Beijo

trepadeira disse...

Uma delicada doçura.
Um abraço,
mário

Sandra disse...

Então aflora e voa...

A.S. disse...

Ah... que saudades da nudez de Abril!!!


Abraço,
AL

jrd disse...

Na vigília ao improvavel, do presente, está a certeza do futuro.
Mais um grande poema.
Abraço

mfc disse...

Um beijo... é aquela entrega linda!
É o sim ao sorriso.

© Piedade Araújo Sol disse...

nao sei se é abril que se desnudou ou se foi o Poeta que escreveu uma vez mais um terno poema de nudez poética.

um bom fim de semana!

beij

lino disse...

Sem palavras, de novo!
Abraço

Canto da Boca disse...

Quantas figuras no seu poema! Desde o início da primavera comemorado num poema que exprime o amor e o desejo do(s) beijo(s), e a sempre desnudada "Revolução de Abril", e finalizas primorosamente com a leveza da floração em beijos, em bocas, em lábios!

Sara disse...

A vigília ao improvável poderá muito bem ser o reconhecimento das possibilidades. Incluindo aquelas que Abril prporciona e proporcionou.

Rogério Pereira disse...

Poeta
Há desejos
de beijos
que tão cedo
não esquecerei

(A partir de hoje, por meu mal, fico de vigilia ao provável,
para evitar que aconteça...)

antonio - o implume disse...

Um dardejar de asa! Sublime.

Aldeberã disse...

Lindos os seus poemas. Maravilhosos. Gostaria de adicioná-lo acha que posso? Um bj

Mariz disse...

O amor e o desejo caminham juntos, ou melhor nadam juntos.

mil beijos e ótimo fds!

heretico disse...

rumor do tempo - indecifrável.

como o beijo antes dos lábios.

belíssimo

abraços

intimidades disse...

lindo

Bjinhos
Paula

BRANCAMAR disse...

Por vezes entro aqui e fico sem palavras, como hoje, porque o que li me deslumbrou, me disse tanto, que me deixou num silêncio contemplativo...

Há momentos em que a emoção do acto criador é incomentável porque de rara beleza.

Beijinhos, meu amigo
Branca

Licínia Quitério disse...

Antes de mais, os meus parabéns pela forma como dizes os teus poemas. Encantada!

Quanto ao poema de hoje, gostei muito como falas da espera desse retorno improvável mas urgente.

Beijinho.

Fragmentos Intemporais disse...

Muito belo o significado que dás às palavras!

ana disse...

A plasticidade do azul
na Primavera
----

Maria João disse...

Há sempre um sorriso de azul em Abril e um beijo provável na verticalidade dos mastros.

Um abraço Eufrázio

Fê-blue bird disse...

Abril despontou, e eu beijei o seu poema, lindo como sempre!

bjos

utopia das palavras disse...

Gosto da sensualidade e das vontades de que falas!

Abraço

Aldebarã disse...

Muito obrigada pelas boas vindas que me deixou gostei muito de vir aqui e voltarei para ler tanta palavra bela, tão lindo sentir, bjs boa semana.

Mel de Carvalho disse...

Acreditar sem duvidar da existência de poentes amovíveis e permanecer, até que a voz nos doa e o sal dos olhos tolha as águas doces da ria, de vigília ao improvável, é aquilo que diferencia os que sonham e agem, daqueles que sonhando, esperam que os demais façam o futuro, honrando Abril.

Meu bom amigo, que mais dizer, se não da minha gratidão? Belíssimo.
Abraço
Mel

SAM disse...

Olá amigo,


Um belo poema! É de apreciar e sentir a beleza dos versos. Obrigada.

Carinhoso beijo e boa semana.

PS: Obrigada pela simpática visita.

Fa menor disse...

"aflorar-te os lábios com os lábios"... haverá nudez mais doce?

manuela baptista disse...

de um improvável
ficar sempre acordado

seja abril ou rio ou lábio ou mastro

seja alado

em Abril!

um abraço

manuela

JPD disse...

Belo.
(Este ano, aproveitando a conjuntura política, como se isso fosse assim tão complicado -- Há formalismos do caraças! -- nem há interesse ou motivação para abrir a AR para comemorar o 25 de Abril.
Hélàs! Hélàs!
Abraço

flor de jasmim disse...

Eufráziovoltei para lhe oferecer um miminho que tem no meu cantinho.
Beijo

VÉU DE MAYA disse...

vibrante e forte...poeta.

abraço

Sônia Brandão disse...

Os lábios nos lábios.

Genny Xavier disse...

Versos que mesclam sentidos e natureza na tocante vazão dos nossos sentimentos...belo e delicado poema.
Beijo,
Genny

Secreta disse...

Nudez de Abril e do calor dos sentires :)

Laura Ferreira disse...

E Abril despontou mais belo que nunca!

Beatrice disse...

labios com lábios.
muito belo!

Cata- Vento disse...

Um poema lindíssimo que enche o coração de quem o lê. Que sensibilidade a tua, querido poeta, que nos ofereces tanta beleza num pequeno número de palavras. A poesia é de facto magia.

Beijinhos

Bem-hajas!

Marta disse...

Já que este Abril se apresenta duro como os meses passados pelo menos que nos traga calor.

Graça Pires disse...

Aqui tão perto dos mastros ouve-se uma canção de amor...
Um beijo.

BLOG DO PROFEX disse...

Tenho cá comigo que as flores de Abril são mais formosas pois são envoltas em cores que nos sacodem, nos remetem ao mais profundo de nossas almas. As flores de Abril são lindas aí e aqui!
grande abraço!

Hanaé Pais disse...

O seu vigoroso mastro, que é temática de vários poemas.
Ocorre-me aquela canção:
"O mar enrola na areia e a areia enrola no mar..."
Isto é que é poetar!!!
Eu diria que é o poeta dos marinheiros e das ondas e das dunas!
Brilhante, Sublime!