segunda-feira, 28 de março de 2011

SILÊNCIO VÃO CANTAR OS PÁSSAROS



Após o recolhimento dos belos relâmpagos

algo rebentou em flor

a partir do chão


Organizados para assistir ao parto

das glicínias

regressaram em bandos

com asas de fogo

povoaram o deserto de cores

mas só tu pousaste

na minha mão preferida

Agora já não sei

como voar nas palavras

que sempre desejei

mais leves que as cinzas

Abri as janelas da casa

e ordenei aos cães

Silêncio

vão cantar os pássaros

36 comentários:

PRECIOSA disse...

Bom demais ouvir o cantar dos pássaros,..ao eco do silêncio

Tenhas um final de tarde regado de muito amor

Preciosa Maria

Maria disse...

Continuas a voar nas palavras.
Belíssimas!

Beijo.

Licínia Quitério disse...

É já tempo de dar voz aos pássaros.

Abraço.

Sandra disse...

Lindo...
Não ousarei interpretar além da beleza e sensibilidade que senti em cada verso.

AC disse...

A leveza dos pássaros...

Abraço

Canto da Boca disse...

Após as tempestades - internas e externas - vem sempre a bonança e os frutos da transformação chegam também. Quem sabe a luz dos relâmpagos, iluminou o chão de flores, para "perfumar" e compor o canto dos pássaros?

;)

ana disse...

E o canto eterniza-se como o perfume das glicínias!
belo!
Abraço!:)

Jorge disse...

Adorei!
Uma boa semana!
jorge

Sonhadora disse...

Poeta

Um eco no silêncio...um vôo para além das palavras...saciei-me de poesia e vou.

Beijo
Sonhadora

VÉU DE MAYA disse...

Belo...e nada inocente.Poeta.

abraço

folha seca disse...

Silêncio, vão cantar os pássaros...
Profundo!

hfm disse...

Dificil neste momento ouvir o canto dos pássaros mas os poetas ouvem-nos sempre!

Mel de Carvalho disse...

Estimado amigo,
indubitavelmente um dos traços distintivos da sua poesia é a leveza das palavras cheias de conteúdo.
Redundante será dizer-lhe e ainda assim lho digo,
Bem-haja

Mel

flor de jasmim disse...

Maravilhoso ouvir o canto dos pássaros e a voz dos poetas.
Beijo

trepadeira disse...

Vamos ouvi-los,deliciar-nos e aprender com eles.
Um abraço,
mário

Laura Ferreira disse...

E não é que cantaram mesmo?!

Justine disse...

Magnífica descrição do que se está a passar aqui no jardim:)) - posso fazer minhas as tuas palavras?

lino disse...

O riso da hienas não deixa ouvir o canto dos pássaros.
Abraço

JPD disse...

Excelente!
Um abraço

R. disse...

A mão que alberga o pássaro ocupa-se com preciosa e nobre tarefa.

Um abraço em concordância absoluta com o comentário no bibliofilia. Muito obrigada.

manuela baptista disse...

silenciados os cães

ficamos nós
e o privilégio dos pássaros


agora,
vou pensar qual é a minha mão preferida

um abraço

manuela

Tania regina Contreiras disse...

Agora já não sei


como voar nas palavras


que sempre desejei

Ah, você já sabia! Belo e belo o poema.
Beijos,

mfc disse...

É a Primavera que volta nas tuas palavras lindas!

ana disse...

Mar Arável,
O seu sopro é sempre fresco e jovial. :)

Anónimo disse...

Nesta Primavera
eu voei com os pássaros
quando eles
"povoavam o deserto de cores"
Os cães silenciaram
quando eles cantavam
e esvoaçavam
por entre as glicínias
multicolores
Eu assisti ao concerto
Inalei aquele ar perfumado
ouvi o teu poema
e parti...

beijo

princesa

Mona Lisa disse...

Em silêncio "ouvi" a suavidade da Primavera...

Bjs.

Rogério Pereira disse...

Sei superfulo
vir dizer-lhe
que os câes
sempre obedeceram aos poetas

Os pássaros cantarão

Pode é ser longa a espera
Nada garante que seja nesta primavera

Tatiana disse...

Fico muito feliz em conhecer o seu blog... Acho que acompanhei o canto dos passaros!

Um abraço carinhoso

Ana Paula Sena disse...

Por aqui respira-se ar puro e poesia!

Um abraço :)

Sônia Brandão disse...

Até os cães se calam para ouvir os pássaros.

bj

Pata Negra disse...

Eufrázio
vi e vou retribuir o link. Não por acaso, ou por reacção automática. Porque gostei, investiguei e sinto que vamos na mesma camioneta.
Um abraço para começo

© Piedade Araújo Sol disse...

e os cães calaram os seus latidos, porque o Poeta ordenou.

e os pássaros entoaram o canto do Poeta!

beij

Aníbal Raposo disse...

Lindíssimo.
Abraço

Eva Gonçalves disse...

Não sei porque ainda não tinha cá vindo parar...
Simplesmente adorei este poema :)

Isa GT disse...

Sofre quem mora, onde os cães não se calam, nem os pássaros cantam.

Bjos

Hanaé Pais disse...

Silêncio!
O Eufrázio, começou a poetar e a seduzir os pássaros e eles em leveza começaram a amar...
E os cães a uivar...
(estou a tentar rimar, para o impressionar!)