terça-feira, 24 de agosto de 2010

SIM SENHORA MINISTRA

Nota prévia -
esclareço que a imagem mostra uma senhora desconhecida que admito tenha sido ministra. Talvez por ela tenha escrito o texto que torno a publicar.


Inconformado mas tranquílo navegava descontraído ao sabor da música de Nat King Cole, pelas ruas da net. A sorver um inestimável cigarro naveguei, naveguei, até entrar por acaso numa sala de conversa, em mesa redonda. Cumprimentei com um olá abrangente. O fórum pareceu-me uma récita de finalistas e alguém entretanto respondeu com voz terna e macia com outro olá.
Trocámos moradas e um outro dia cliquei - zebra@mail. pt.

Acordámos um encontro na pastelaria Versalhes.

Era sexta feira, dia das cidades sem carros e na avenida da república foi comovedor apreciar um punhado de gente a correr como espermatozóides a respirarem finalmente pelos pulmões - de bicicleta, de patins, a cavalo, ao pé coxinho - vitoriosos, saltitantes, castos e inocentes.
Ouvi alguém recordar que o vento é o ar em movimento.

Na verdade o governo nas varandas de São Bento, em estado crítico de parto orçamental, aplaudia-se a si mesmo enquanto o ar quimicamente puro entrava e saía nos amplos salões.

Estávamos nos útimos lampejos do Verão quando me dirigi ao micro clima da Versalhes que distinta luzia nos florais dourados, nos tiques barrocos da fauna residente, no brilho cristalino dos espelhos, na nata das conversas, nas minhas lentes de contacto.

Às dezassete horas em ponto, uma galáxia de estrêlas cadentes entrava na pastelaria, Dirigiu-se à mesa. Parecia uma papoila. Não andava - deslizava, voláctil, aparentemente frágil mas insinuante. Vestia seda natural - exibia discretos viveiros de rosas polícromas . Cravos nem um.

Alta, amendoada, olhos felinos, nuca rapada - calou a Versalhes e eu confesso que fiquei com a ideia de ver uma personagem conhecida.

Cumprimentámo-nos com alguma solenidade. A sua mão ou a minha tremia humedecida.

Tomámos o chá em porcelana bago de arroz e falámos, falámos - ternos , criativos, inocentes.

Concluí que talvez pertencesse à comunidade de Santo Egídio, empenhada na cultura para a paz, na mediação internacional - uma frente organizada e independente mas da total confiança política do Vaticano.

Inesperadamente fui convidado para visitar a piscina interior de um hotel. Com a naturalidade de quem procura substância para uma crónica, aceitei o convite.

Desviámo-nos um pouco da avenida da república, apanhámos um táxi, chegámos ao hotel - óbviamente um cinco estrêlas.

No lancil - uma jovem andrajosa raspava as cordas de um violino lacrimoso, rezava por uma moeda, num debotado copo plástico da coca-cola. Parámos enquanto ela olhou a rapariga.Com os dedos esguios retirou um brinco da orelha que deixou maternal no copo das esmolas - e eu com o mesmo sentido cooperante deitei a mão ao bolso do casaco mas só encontrei um auto-colante contra a co-incineração na serra da Arrábida.

Entrámos. No átrio da piscina a música de fundo oferecia Nat King Cole.
Pedi um Cuty Sark e a minha companheira, como se estivesse na intimidade do doce lar - começou a despir o vestido de seda, a espargir um ténue perfume a rosas e a revelar um lindíssimo fato de banho.

As riscas de zebra, perfeitamente selvagens, listavam-lhe todo o corpo amendoado - coladas à pele penetravam-lhe os ângulos, as reentrâncias, os espaços bojudos, os precipícios - das unhas dos pés até à nuca rapada.

Por dentro não vi nada de muito significativo, mas quando lenta e solenemente se aproximou da água, reparei que não tinha uma única peça de roupa vestida. Numa nádega era evidente a assinatura do pintor.

Rodando o pescoço - óptimo para o sinistro tempo da guilhotina, olhou-me fixamente com outros olhos. Estava triste. Revelava uma profunda solidão interior e eu inquietei-me.

Sempre a fixar-me deu uns passos e permitiu que uma lágrima solta, desamparada, tingisse a água da piscina. Mais me inquietei quando não conteve um breve sorriso nervoso e me interrogou, terna e com voz macia.
Fui remodelada, sabia?
Compreensivo e terno respondi
Sim senhora ministra.

22 comentários:

jrd disse...

Um espanto de texto. Magnífico!
Depois da alusão à rotação do pescoço, fiquei sem saber se a decapitaste...
Abraço

Graça Pires disse...

O texto começa com humor e vai resvalando para a tristeza da solidão... Muito bom!
Um beijo.

lino disse...

Prosa muito interessante. Não te sabia frequentador da pastelaria Versailles mas, a verdade, é que lá não entro há mais de 30 anos, pois aquilo tresandava a naftalina e a órfãs do movimento nacional feminino.
Abraço

Mar Arável disse...

Lino

não é a Versailles
é a Versalhes

Abraço

smvasconcelos disse...

Muito bonito, o texto!:)
bjs,

célia musilli disse...

Muito bom!! Imagético,pictórico...Um bj!

Sara disse...

Texto extraordinário, repleto de paradoxos. Uma primeira-ministra generosa e "despida" é, só por si, uma circunstância enormemente paradoxal. Não estranha que tenha necessitado de profundas remodelações :)
Um abraço!

Licínia Quitério disse...

Magnífico texto, atravessado por uma sensualidade que vai dizendo da confusão das várias aparências duma vida. Lembrou-me um quadro de Magritte.

R. disse...

É sempre difícil o equilíbrio entre a intenção e o compromisso, entre a expectativa e a realidade, entre o conteúdo e a aparência. E parece-me que todos eles estão aqui extraordinariamente sugeridos.

antonio - o implume disse...

Só um fumador se preocupava com a qualidade do ar... gostei muito do texto mas o final revela-se perturbador. Já tivemos aqui na bloga o Joshua com as seus delírios eróticos em torno da MLR, agora mais um?

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Belíssimo texto, excelente reflexão. Pena terem acabado os dias sem carros...

ana disse...

Prosa soberba, sublime...!

A imaginação e a realidade algo intimista
e brilhante.

A solidão pintada.

Bravo! :)

José Carlos Brandão disse...

Com outros olhos - muito abertos.

Sônia Brandão disse...

Um belo texto.

abs

tb disse...

Bem me parecia que tinha havido por aí remodelação... :)
Gostei muito de ler o texto que nos prende até ao final.
beijo

legivel disse...



Além da assinatura do pintor, nem uma pequenina tatuagem para amostra?
Essa ministra pode ter sido remodelada mas não foi actualizada...

Texto cinco estrelas.

Abraço.

Virgínia do Carmo disse...

Impressionante a capacidade narrativa e poderoso o conteúdo! Obrigada!

Um abraço

anamar disse...

Belo texto...
Devagarinho, vou voltando.
Saudades.
:))

Maria João disse...

Um texto que é um olhar cheio de tudo quanto a escrita tem de melhor. Um registo de elevada qualidade, a qual é sua marca indelével.

Um beijinho

Graça disse...

Gostei imenso deste texto!


Um beijo e bom resto de semana.

Anónimo disse...

Que excelente prosa poética!
A entrada nas águas
do seu Mar
propicia sempre
prazer.
É sair sem sair da cadeira
É caminhar por lugares (des)conhecidos
É sentir o coração a pulsar bem forte
É partilhar ideologias, sensibilidades, sensualidades...
É deliciar o ego ao som
de Nat King Cile
É sonhar com o (im)possível
e mergulhar bem fundo.

Mais uma vez: Parabéns!!!

princesa

Hanaé Pais disse...

Que história!