terça-feira, 17 de agosto de 2010

FLORES DO DESERTO



Tudo acontece num grito
de barcos
que se ateia
em pleno voo
solto de asas e velas
espantado de tanto espaço
para voar
rema passo a passo
na direcção de um só vento
caminhos sem poiso

indomável
ergue-se
em mastros de luz
resiste ama desobedece
nas mais belas flores do deserto

num levantamento de pássaros

35 comentários:

AC disse...

Belo canto, bela homenagem...

Abraço

Rogério Pereira disse...

num levantamento de pássaros?
diz-me onde e quando tal aconteceu
diz-me poeta que não é sonho teu
tenho asas fortes
vontade de desafiar sortes
e quero-me juntar ao bando
mesmo depois de se ter levantado

Sonhadora disse...

Meu querido Poeta
Maravilhoso poema, nem tenho palavras, adorei...apenas.

beijinhos
Sonhadora

Maria disse...

E resistem. As flores.

Beijo.

hfm disse...

Quando a resistência ainda é palavra.

ana disse...

Como as asas
não são de Ícaro,
o perfume é contínuo.

Parabéns com flores. :)

trepadeira disse...

"É sempre na noite mais escura que as estrelas brilham mais.".

mário

Graça Pires disse...

No deserto nascem os feiticeiros da sede...
Adorei o poema.
Um beijo, meu amigo.

legivel disse...

... de levantamento em levantamento os pássaros deste poema são de "antes voar que ceder".

Abraço.

jrd disse...

Indomáveis, os pássaros poetas.
Abraço

lino disse...

E há muitas flores, no deserto.
Abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

A poesia como se quer num poema: intensa, diáfana a procurar horizontes de sonhos.

Abraço

Maria João disse...

Ergamo-nos indomáveis. Sempre!
Porque do deserto nascem as mais lindas flores.

Um abraço

JB disse...

E que bom era que esses pássaros levassem essas verdades pelo mundo fora e se tomassem atitudes!

Lindíssimo o seu poema!
Espero que esse aroma a flores atravesse o deserto... os mares...

Abraço

Lena disse...

Gostei desse voo...
uma certa liberdade e esperança...
e dessas mais belas flores do deserto..
Gostei do teu poema,
me faz sempre reflectir...

Beijos

Lídia Borges disse...

"Tudo acontece num grito
de barcos"

Num "grito" que nada cale tudo pode acontecer... E acontece! Acontece poesia nos passos firmes do vento-

L.B.

Licínia Quitério disse...

Resistir a todas as sedes, ser flor e preparar o voo. Gritemos!

Um abraço, Amigo.

Virgínia do Carmo disse...

Há mais flores no deserto do que ditam as evidências...

Abraço

MAR disse...

Mucho amor y esperanza para ellos y besos para ti.
mar

Sara disse...

Verdadeiramente grave é quando nos espantamos perante a existência de espaço para voar. O espanto parece sinal de que, em maior ou menor grau, a opressão é uma condição mais quotidiana do que aquilo que gostaríamos de admitir. Por isso, resistir, amar e desobedecer são verbos que devemos aprender a conjugar.
Gostei muito! Bom fim-de-semana.

Genny Xavier disse...

Poeta,
A poesia que cerca o teu universo de analogias, afinidades, comparações e relações expressivas nos deixa a pensar se as embarcações são pássaros livres que alçam voo com suas velas brancas para romper horizontes azuis na tênue linha entre mar e céu...
Beijos
Genny

Justine disse...

Exaltante o teu grito, o teu bater de asas, o teu poema!

Ana Paula Sena disse...

"um grito de barcos que se ateia..." é uma imagem fantástica!

Um abraço :)

Maria P. disse...

Serão sempre flores.

Beijinho*

heretico disse...

poema com asas. na respiração...

admirável.

abraços, meu caro Poeta.

Há.dias.assim disse...

Bonita homenagem!

BRANCAMAR disse...

E a poesia por aqui continua acontecendo de forma belíssima.
Estas flores do deserto são a força da vida e a mais bela expressão do poema, sempre indomável.

Beijos
Branca

mdsol disse...

Ir, voar, assim...

Muito bonito

:)))

Anónimo disse...

Desta vez
as palavras do poeta
fizeram-me sentir
a liberdade
e
sobretudo
a coragem
das muitas "flores do deserto"
que
por este mundo fora
(re)buscam
a sua sobrevivência.

Cada leitor
sente as mesmas palavras
de maneira diferente...
É essa a grande arte
e virtude
da poesia.

Continue
a deliciar-nos
com os seus excelentes
entrelaces
de palavras e sentimentos!!...

princesa

R. disse...

e metamorfoseado como só a poesia o permite...

Nilson Barcelli disse...

Há sempre algo de revolta, de grito, em cada flor do deserto.
Excelente poema, caro amigo. Gostei.
Abraço.

Anónimo disse...

Lembrei a Somália
os nómadas
os despojados da terra sua
milhões de pés a caminhar
milhões de pés mortos

Muito belo - resistentes os pássaros.

"antes quebrar que torcer"...
Abç da bettips

José Carlos Brandão disse...

Um levantamento de pássaros - não é sonho, mas poesia.

tb disse...

Voando como eles e com eles, os pássaros...
abraço

Mel de Carvalho disse...

Estimado amigo,
tudo acontece num levantar de pássaros: a terra, momentaneamente escurece, chão de pão ou de pavio.
Depois, quando clareia - planície do mar ao rio - , as espigas tomaram conta das mãos dos homens enquanto estes encetam um voar em "V" e tudo faz sentido.

Perdoe-me o devaneio. Este poema é um hino à liberdade. Bem-haja, Eufrázio

Abraço
Mel