quarta-feira, 16 de junho de 2010

NO COAXAR DAS MARGENS



Acordei a pintar o voo
de um pássaro nos teus olhos
a incitar os cães a lamberem água
na concha das nossas mãos


como se toda a água
fosse de beber às mãos cheias
e os cães
um bando de pássaros
nos teus olhos

De tão breves
acrescentámos à nudez do rio
a sombra de uma ponte
um pedaço de espelho que se olha
nesta desordem de cores

até o pão crescer nas nossas bocas
os silêncios se alimentarem de faúlhas
e nós de outras claridades

Foi quando acordámos completa mente
no coaxar das margens
sem cães nem pássaros

só com os teus olhos

22 comentários:

São disse...

Estar só com os olhos de quem se gosta , já é uma coisa muito boa.

Uma boa noite.

Sonhadora disse...

maravilhoso poema, um belo momento de poesia, adorei.

Beijinhos
Sonhadora

Anónimo disse...

Que belo poema!!!
Abençoada a musa
de olhos tão inspiradores.

Que bela sintonia de palavras
e sentimentos!

De palavras que nos transmitem
excelentes sensações

Que nos ajudam a levitar
por instantes

E a sonhar
nas mesmas margens
...
"pintar o voo"
"pássaro"..."olhos"...
..."concha das nossas mãos"...
..."água"..."ponte"..
..."espelho"..."claridades"...

Princesa

Barbara disse...

Magia.

OutrosEncantos disse...

"Foi quando acordámos completa mente
no coaxar das margens
sem cães nem pássaros

só com os teus olhos"

A realização!
Poema fantástico!
Parabéns!
Beijo!

antonio - o implume disse...

O encantamento do olhar que lê, encontro aqui.

Graça Pires disse...

"Acordei a pintar o voo
de um pássaro nos teus olhos"
O começo de um poema cheio de ternura e de magia. Adorei.
Um beijo.

Menina Marota disse...

"...até o pão crescer nas nossas bocas
os silêncios se alimentarem de faúlhas
e nós de outras claridades..."

e na sensibilidade da poética das palavras a alma voa com sentido...

É sempre um prazer ler-te. Obrigada.
Bjo

lino disse...

Lindo, lindo!
Abraço

gabriela r martins disse...

rendo.me ao "coaxar das tuas margens"


com




.
um beijo

Laura disse...

Sim, muito bonito. Também gosto muito de olhos.

jrd disse...

Belíssimo! O Som da Paisagem.
Abraço

Mel de Carvalho disse...

Onde os dedos verdes das várzeas
se tocam, tremulantes, no azul das águas, e o metal das pontes se espelha em viagens de bem dizer, a poesia reflecte-se em espelhos de rio. E neles os cães não acordam abruptamente os ovos pintados num olhar, e o poema - arte plena, inscreve-se, néctar, dulcíssima forma em profusão maior.

Belíssimo, Eufrázio.
Bem-haja
Mel

Sara disse...

Gosto desta ideia de nos alimentarmos de "outras claridades". Bem precisamos. Outras. Novas. Luminosas e iluminadoras.

JPD disse...

Belo, belo!

Um grande abraço

luís filipe pereira disse...

"De tão breves
acrescentámos à nudez do rio
a sombra de uma ponte
"
Belíssimo poema: o poema como instaurador de claridades, de entrelaços, de traços de união, de uma ponte que a palavra poética atravessa, erige com impressionante força.
meus parabéns.
luís filipe pereira

maré disse...

é deste coalhar os olhos

noutros olhos que se faz a claridade

apesar da sombra da ponte

apesar da desordem das cores


___

beijos

alice disse...

sem cães nem pássaros :) muito bonito! um grande beijinho.

Lena disse...

Um lindo sonho,
e acordar so com os teus olhos...
Bonito !
Li e reli..

Beijos

Sônia Brandão disse...

"Acordei a pintar o voo
de um pássaro nos teus olhos"

Agradou-me bastante essa imagem.

bjs

Virgínia do Carmo disse...

O insondável poder dos olhos e palavras muito belas...

Abraço

ana disse...

Gosto do poema no qual se pintam pássaros nos olhos... o pássaro, a liberdade de voar...de partir... de chegar.
O espelho reflecte as cores, ilumina, dá luz.
A luz é o bem mais precioso que um homem pode ter para além de umas asas, é claro. :))