sábado, 12 de setembro de 2009

NO SENTIDO DO VOO



O mar sangrava espumas brancas
lenços de linho
nas ruas deste chão

Eu sabia que serenamente
no fim da Primavera
serias a última a partir

só não sabia que eras tu

Ainda desenhaste um círculo
para eu traduzir o teu rumo

Corri no sentido do voo
mas a água só me consentiu
um breve patinhar

Regressei à casa vazia
muito antes da luz
se afogar em palavras

35 comentários:

Cauan disse...

Mais uma vez, entre linhas, consigo sentir a grandeza de suas palavras.
"No sentido do voo" lembra minha vida como um todo, em busca de liberdade e de disciplina.
Parabéns André.

lino disse...

Belíssimo.

A Senhora disse...

A casa sempre será vazia enquanto também não decidir voar na Primavera. Ainda terá outras Primaveras...

;)

bjs

Mar Arável disse...

Aviso à navegação

- estou tão só a falar

de andorinhas

as velas ardem ate ao fim disse...

Voar é preciso!Sempre!

bjo

maré disse...

há sempre um regresso.

à luz

antes de um adeus definitivo.


______
beijo, de clareiras

Paula Raposo disse...

Lindo o teu poema! Sente-se e a poesia tem que se sentir...beijos.

hfm disse...

Tudo se pode afogar nas tuas palavras!

utopia das palavras disse...

Porque as asas reclamam o estio e a liberdade da luz, instintivamente ... a vida em plenitude!
Belo rasgar do sentido!

beijo

heretico disse...

um circulo que se fez espiral. assim espero...

(as andorinhas voltam sempre ao beiral...)

imagens poéticas muito belas.

bravíssimo, Poeta!

abraços

maria m. disse...

o vazio da separação, da partida...

belo.

Miosotis disse...

Muito sensível, como sempre 'Mar Arável!

Fazes versos do rendilhado da espuma das palavras e dos sentires...

Um beijo,
... pelo olhar amistoso em 'fragmentos', sensibilizada!

jrd disse...

As andorinhas também voltam com as marés.

Licínia Quitério disse...

Mas que bonito, Poeta!

anamar disse...

As palavras são traiçoeiras...
Belo como sempre...
:))

virgínia do carmo disse...

Começo a achar que o Eufrázio não escreve poesia, mas antes que "É" poesia... Só assim podem ser as palavras tão naturais... como a respiração...
Beijinho!

Justine disse...

Parafraseando um poema querido, assim se vê quão importante é "defender as asas". Nunca se sabe quando são precisas...

CCF disse...

Todas as partidas têm este bocadinho de tristeza, acho que mais de quem fica(mesmo que sejam só as andorinhas, eu cá bem gostava de ir com elas).
~CC~

Maria Valadas disse...

" Corri no sentido do voo"

Ahhh... quantas vezes o faço!

Sempre bela a tua poesia.

Bjs

Anónimo disse...

beijo.



.

piano.

Lena disse...

Ressenti um voo de liberdade
ao ler-te

Também gostava ser essa ave,
voando ao de cima das ondas e
ir, ir, voar, voando....

Beijos

O outro lado do espelho disse...

Um voo con-sentido. Da corrida. No regresso.

Belo o poema.

intimidades disse...

lindo

Jokas
Paula

antonior disse...

Entre a imagem e as palavras toda a coerência está sustentada.

As asas voam num vácuo melancólico em direcção a um desconhecido talvez previsível...talvez.

Até breve.

Mateso disse...

Elas partem nos dias brilhantes de Setembro...depois, quando a brisa de amorna e refulge de aroma regressam. São as andorinhas que pipilam amáveis nas manhãs doiradas.

Bj.

mariam disse...

Eufrázio, poeta,

é Belíssimo!

...também tenho andorinhas lindas, todos-os-anos no meu beiral da Beira Baixa...

um abraço amigo e um sorriso :)
mariam

Vieira Calado disse...

Apreciei.

É um poema esbelto.

Um abraço

Ana Paula disse...

Voar é querer ir mais além, num voo tão livre como o das andorinhas.

Mesmo o cair e o patinhar valem a pena, se o voo é um correr atrás do sonho que é preciso sonhar.

Como alguém disse antes, "é poesia sentida", logo, bela e cativante :)

mariabesuga disse...

Agora é só para deixar notificação de um selo/prémio que tenho para partilhar lá no meu blog e um calhou ao MAR ARÁVEL por eu achar que é de facto um blog viciante e muito bom de ler.

http://mariabesuga-extras.blogspot.com/2009/09/selo-seu-blog-e-viciante.html

Criei aparte um espaço para estas coisas de selinhos prémios desafios e etc...as e tais. assim ficam aqui muito bem todos juntos e não interferem com a minha ordem das coisas lá no blogue principal.

Espero que aceite. Fará o que entender que muitas pessoas preferem não ligar mas está lá e é seu.

Abraço

opolidor disse...

nas palavras se afogam muitas mágoas...

São disse...

Que bonito!

Beijinhos

mundo azul disse...

___________________________________


Muito lindo esse poema!

Parabéns!


Beijos de luz e o meu carinho...


_________________________________

Graça disse...

Festejemos o belo, sim! Ao sabor das tuas palavras, que jamais se afogam no mar da tua sensibilidade. Adorei o poema.


Beijos meus.

uminuto disse...

Palavras sensíveis, banhadas com aroma de maresia

gabriela rocha martins disse...

sem palavras.....

tanto belo



.
um beijo