segunda-feira, 21 de abril de 2008

ABRIL / ACORDAR O SILÊNCIO








Quando te penso Abril,não estou a crepitar lágrimas,estou a festejar amanhãs,árvores frondosas

que ajudámos a plantar.

Apesar das dificuldades,dos tartufos,da indiferença

e dos detratores de Abril,a revolução democrática

e popular foi um hino à liberdade que nos permite

dizer - gosto de ter nascido neste chão.

Apesar dos indigentes e desiludidos políticos

anti-fascistas que nunca foram anti-capitalistas

e ainda hoje confundem Abril com os resultados

dos que o combateram - recordo que muito do que

sonhámos e sonhamos permite viver esta vida

com uma estrela que se vê,concreta,objetiva,

embora colada no teto do mundo - não por

religiosidade mas por convicção.

Quando te penso Abril,não estou a viver

memórias,estou a permanecer na luta por causas

até que as estrelas desçam à terra,porque não

estamos no fim das ideologias nem da história.

A revolução de Abril,devolveu-nos a vontade

de ser cidadãos do mundo,militantes da vida,

contra a selva instalada.

É preciso acordar o silêncio.


13 comentários:

Maria disse...

Abril é, será sempre, Futuro!

Um beijo vermelho

Graça Pires disse...

É preciso acordar o silêncio sim!!!
Um ramo de cravos vermelhos.

Irene disse...

«Acordar Abril» em cada consciência...

~pi disse...

acordá-lo sim! gritar muitO!! ´´´´







beijO

un dress disse...

,,, e ampliar o grito!

es palh ar ~

Ana Paula disse...

Gostei de ler o texto.
É um profundo apelo à nossa consciência de "Abril"!

Obrigada! :)

alice disse...

abril é sermos nós a chegar às estrelas, filipe :) um beijinho*

Carla disse...

porque este silêncio pesa...porque este silêncio tem medo...porque este silêncio não lembra ABRIL...é preciso despertar
beijos

CCF disse...

Que mês mais bonito a liberdade escolheu!
~CC~

herético disse...

"é preciso acordar o silêncio..."

e a(s)cender bandeiras rubras.

abraços

Anónimo disse...

Regresssei
para festejar
Abril.

Comecei bem
os festejos
com a leitura
de mais um texto seu
magnífico!

Gostei
especialmente
do primeiro parágrafo.

princesa

Mateso disse...

Abril hoje,

É o vazio de um ontem prometido...
Bj.

Donagata disse...

Um verdadeiro hino à revolução dos cravos que tanto e tantas vezes tem sido esquecida, distorcida, corrompida mas que continua viva em muitos de nós.Façamos de Abril uma realidade presente e não memórias de uma promessa que ameaça ir-se esbatendo...