terça-feira, 15 de abril de 2008

NO DESEJO DAS SEARAS






Com a manhã fresca de lábios

seguimos na erva

o rasto do orvalho


mas só quando soltámos

os enigmas

foram vergadas as metáforas


menos as mãos que as desenham

muito menos a coluna

que as suportam


Neste mar de colheitas

que nos corre pela sede fora

caminhamos


no desejo das searas



21 comentários:

jrd disse...

...vermelhas e de vento.

gabriela r martins disse...

tardo.me em teu mar
navego para além das searas

e

gosto de te ter por barqueiro



.
um beijo

São disse...

Quando ceifaremos trigo maduro das nossas esperanças de Abril?
Saudações.

alice disse...

com a devida vénia, subscrevo o comentário da senhora gabriela*

apetece abraçar esta seara ;)

Mel de Carvalho disse...

"mas só quando soltámos
os enigmas
foram vergadas as metáforas"

Um imagem que nos remete para outros contextos de verticalidade,
de palmilho em chão de trigo.

Um abraço grato
Mel

vermella disse...

Tan bonito que o arrecendo do trigo chegábame como un enigma,que o tacto da palla veu de sorpresa.........
beijo

Graça Pires disse...

As searas lembram o verão, as papoilas, a sede em que apetece "a manhã freca de lábios".
Um abraço

gaivota disse...

searas, trigo, milho, cevada, cereais, colheitas, pão
trabalho, fome
beijinhos

herético disse...

soltar enigmas...

e desejo de searas.

excelente pretexto de poema.

abraçso

CCF disse...

Palavras tão certas para o mês Abril.
~CC~

Maria disse...

deste mar.
em Abril ceifado...

beijo, sempre

Licínia Quitério disse...

Caminhos férteis de trigo que acalme as fomes. Bem precisamos.

São disse...

Vim desejar feliz final de semana.

isabel mendes ferreira disse...

o teu vento.

o teu mar. a tua colheita.



.


gostei tanto....




.



bjj.

Donagata disse...

Mais uma vez de visita a este seu mar feito de searas e refrescado pelo orvalho.
Fez-me bem.
Bom fim de semana

maria josé quintela disse...

o desjo das searas


antes da colheita.

hfm disse...

Um excelente poema - em ritmo, poética e imagens.

Luís Galego disse...

caminhamos
no desejo ....

De facto, Abril rima com este poema...

T disse...

Tem tudo dito. Ainda há espaço para sonhar.

Maria P. disse...

É Abril a cheirar a Maio nas searas...

Um abraço*

Mateso disse...

Ondulam sob o mastro já ido...
Belo poema!
Bj.