quarta-feira, 10 de outubro de 2007

Á BEIRA DO DESEJO

lamento mas esta foto não foi por mim tirada








Nas fissuras menos conhecidas das pedras



navegam sargaços de cristal



move-se um coração de ave



água possuída de viagens



que o sol lambe em alvoradas





Na mais dura pedra um barco



com gestos a dardejar



desperta animal no próprio corpo



margens

voz

arestas



como se houvesse princípio para a fala





Na mais dura pedra a explosão



secreta dos corais



um pequeno sinal de vida



incontido



à beira do desejo e amanhãs



nesta pátria de naufragos



adentro





Nas fissuras menos conhecidas das pedras



uma asa suspensa



voa na luz



despe-se de tudo





participa



na desordem dos espelhos


11 comentários:

isabel mendes ferreira disse...

e x p l o s ã o!!!

_____________________


das palavras.



beijo.

blue disse...

nas fissuras, palavras.

un dress disse...

a esgrimir contra ventos e marés

um corpo escancarado


:


de asas soltas

no chumbo do tempo




.beijO

nana disse...

funde-se na ordem da vida

...

Maria disse...

Nas fissuras menos conhecidas das pedras
navegamos.........

*********

maria josé quintela disse...

como se houvesse princípio para o voo.

herético disse...

pressente-se o som na "fissura menos conhecida das pedras..."

... "nesta pátria de naufragos adentro!"

excelente, Poeta!

abraços

Licínia Quitério disse...

poema muito tenso

na quase dobra do arco

do desejo


abraço

jrd disse...

Na desordem dos espelhos o reflexo das palavras que estoiram.
Grande poema!

Mateso disse...

"...água possuída de viagens



que o sol lambe em alvoradas..."
Rompe o sol as palavras do teu poema!

samuel disse...

Está lá, escondido nas fissuras profundas das pedras, o segredo que o mar esconde, a explicação da vida...
É ir lá e ler!