quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021

A NOSSA ROMÃ

 

Nesta ilha de náufragos e jangadas imperfeitas 
as romãs abriam os lábios explodiam multidões.
Os cães adivinhavam o brilho dos relâmpagos e tu caías abrupta nos meus braços. 

Quando te vi assim a cair dos céus, desamparada a lubrificar a terra, não sabia o teu nome,
muito menos como te beijar os pés.
Quando te vi assim pendente, incolor, nua de tudo, chamei-te um nome qualquer  
e tu chegaste a cântaros, tão líquida por entre os meus dedos.

Recebi-te quase ninfa de braços abertos na minha escarpa e assim ficámos vagarosos instantes, 
a respirar eternidades.

Ainda hoje não sei quem és senhora.

Trazias nos cabelos um mar a derramar estrelas, cânticos sibilinos, barcos do outro lado do cais.

Fiquei sem saber se existias de facto ou teria sido eu a inventar-te


Escancarei as janelas, acendi um fósforo no alpendre da casa, e tu lá estavas a cair dos céus, 
sem muros nem amos a cantar. 
Tinhas uma vontade serena de liberdade, uma biblioteca onde se destacavam textos apócrifos, 
mas também vivificavam  ´Jorge Amado e Soeiro Pereira Gomes.

Se tivesse que te desenhar faria um gesto, um risco a carvão no ar que respiramos.
Bebia-te às mãos cheias, mas deixaria na nossa árvore preferida - uma romã.



Eufrázio Filipe
Texto reconstru'ido




15 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Gostei muito da sua publicação!! :))
-
Cansada de olhar o horizonte
-
Beijo e excelente dia!

Janita disse...

Vidas difíceis, tempos duros e sofridos.
Uma romã, não seria o fruto melhor para esses náufragos.
Demora a descascar e não se pode comer à dentada...não seria melhor uma maçã?

Gostei do texto poético.

Um abraço ao Poeta.

" R y k @ r d o " disse...


Um texto em prosa que é perfeita poesia em movimento. Gostei de ler, bem como, gostei da imagem a chegada dos pescadores, na Nazaré.
.
Saudação poética
.
Pensamentos e Devaneios Poéticos
.

Rogério G.V. Pereira disse...

Quando eu for poeta
quero poder
despertar emoções assim

Micaela Santos disse...

Lindo! Este poema está divinamente escrito!

Beijinhos

Rosa dos Ventos disse...

Só uma romã poderia iluminar estas imagens tão metafóricas.
Na Nazaré era assim!

Abraço

A Paixão da Isa disse...

que bonito tem muito sintimento gostei muito bjs saude

Ana Tapadas disse...

É numa dança de sentidos, de metáforas insubmissas que desenham a paixão profunda.

Beijo

lupuscanissignatus disse...

gomo a gomo a sede

© Piedade Araújo Sol disse...


Não se preocupe
a romã continua lá

bom fim de semana
Beijinhos
:)

Ailime disse...

Que dizer? Tão belo este poema!
Emocionou-me.
Um beijinho e bom fim de semana, com saúde.
Ailime

Graça Pires disse...

"Trazias nos cabelos um mar a derramar estrelas, cânticos sibilinos, barcos do outro lado do cais." Por isso havia bagos de romã em sua boca para a sede dos lábios...
Magnífico poema, meu Amigo!
Cuida-te bem.
Uma boa semana.
Um beijo.

manuela barroso disse...

"Trazias nos cabelos um mar a derramar estrelas"-só um recorte de outros tantos que tornam tão belo este poema! Nunca uma romã foi tão bem enquadrada
Um beijo!

AC disse...

Deliciei-me.
Que mais dizer? És um poeta e tanto, Eufrázio.

Forte abraço

José Carlos Sant Anna disse...

A vida conjuga os seres
e deixa na memória a romã...

Um abraço,