segunda-feira, 25 de maio de 2020

VIGÍLIA AO IMPROVÁVEL




Quando te despiste em flor
e revelaste a nudez
já despontavam as camélias

não por dádiva dos céus
na vertigem das sombras
muito menos porque o mar
se ergueu
num sussurro de azuis

tão só depurada
trazias gestos musicais
a noção de um rio
que se demora nas margens

Quando te despiste
quase inocente
numa povoação de sílabas
não desnudaste 
o mais íntimo da pele

ficaste em vigília ao improvável
tão perto dos mastros
onde dardejam pássaros
e profanam metáforas



eufrázio filipe

19 comentários:

A Paixão da Isa disse...

uma foto que diz muito e o poema tambem gostei muito bjs feliz semana

" R y k @ r d o " disse...

Doce sedução poética
Uma semana feliz
Cuide-se

José Carlos Sant Anna disse...

Em vigília ao improvável não notou
a passagem do tempo tão perto dos mastros...
Abr.

Cidália Ferreira disse...

Fabuloso poema. Sensualmente belo, a par com a imagem! :)
-
Vagueio na abstinência ...

Beijos e uma excelente semana :)

Janita disse...

É mais fácil a apreciação
da nudez, de um corpo de Mulher
do que desnudar-lhe a alma
e tentá-la compreender...

Beijo, boa semana, amigo Poeta.

Teresa Durães disse...

Perto do desconhecido?

© Piedade Araújo Sol disse...


Em vigília
ou tão somente em observaçao

beijinhos
:)

Unknown disse...

Um mundo inaugurado a partir dos gestos espontâneos e, desavisadamente provocadores de uma musa, que passeia por entre as flores, os pássaros, o mar e o céu azul.


Lindas as metáforas!
:)

Jaime Portela disse...

Hoje não matei nenhum pássaro...
Continuação de boa semana.
Abraço.

Teresa Almeida disse...

Melodia de marinheiro. Gosto.
Beijo.

Agostinho disse...

Depois do confronto de pele com pele, verso a verso
até ao cume mais que provável, a multidão vigilante
povoa de conjecturas parapeitos e lemes, já oleados, das portas
Improvável é haver uma solução simples, a comprovar o Poema
sobretudo se confinado ou emergente, caro Poeta

Boa saúde!

Ana Tapadas disse...

Eu gosto deste lirismo de palavras significantes, mas contidas. Belíssimo poema.

Bj

Ailime disse...

Tão bonito logo no inicio: «Quando te despiste em flor
e revelaste a nudez
já despontavam as camélias»
Que as flores junquem sempre todas as margens.
Beijinhos e bom domingo.
Ailime

Rosa dos Ventos disse...

Gosto destas metáforas!

Abraço

AC disse...

Eufrázio,
O mais íntimo é sempre reservado para as coisas quase improváveis, que nos alimentam o sonho.

Grande abraço

Juvenal Nunes disse...

Um belo poema que oscila entre a candura de uma nudez apelativa e os incontidos desejos que provoca.
Saudações poéticas.
Juvenal Nunes

Graça Pires disse...

Tão perto dos mastros, está sempre o poeta que tem no olhar a intimidade da nudez das palavras…
Uma boa semana meu Amigo com muita saúde.
Um beijo.

jrd disse...

De novo por aqui para encontrar mais um belíssimo poema.

Grande abraço Poeta

saudade disse...

Mais um maravilhoso poema,
na minha casa cantam os pássaros.
Boa semana