domingo, 10 de novembro de 2019

A CHAMA INTEIRA







Na cadência das marés
sussurro esta fala
quando escrevo

conjugo insurgente
nas paredes do cais
uma festa de maresias silabadas

passo a passo
a chama inteira
para lá do azul


eufrázio filipe

10 comentários:

Ailime disse...

Boa tarde,
"Para lá do azul" onde a poesia se ergue nas metáforas das marés.
Lindo poema!
Beijinhos,
Ailime

Toninho disse...

Muito bonito poetizar para lá do azul, onde os versos se encantam.
Para lá do azul onde andorinhas em revoada fazem lindo mosaico.
Para lá do azul os poetas se encantam.
Abraços amigo e boa semana.
Grato e vamos poetizando bem além do azul.

Rogério G.V. Pereira disse...

passo a passo
e
um punho erguido
sem sussurro nem grito

na cadência das marés

(que belo este teu poema
caro poeta)

Rosa dos Ventos disse...

E também quando leio!

Abraço

Larissa Santos disse...

Adorei o poema :))

Hoje-:-Somos a base que nos eleva, somos emoção

Bjos
Votos de uma óptima Segunda - Feira.

Graça Pires disse...

Nas paredes do cais estão escritos poemas, assim tão belos, mas só alguns conseguem lê-los.
Uma boa semana, meu Amigo.
Um beijo.

saudade disse...

Muito bom. Ajuda a pensar
Boa semana

Ninfa Azul disse...

Bello poema, me encanta el mar,todo lo que con el se relaciona, gracias por compartir.
Un abrazo grande.

© Piedade Araújo Sol disse...

nas paredes do cais
existem memórias
que só o Poeta sabe decifrar

belissimo!

beijinho

:)

Juvenal Nunes disse...


Na essência da sociabilidade humana está a comunicação, com o seu tempo e o seu ritmo.
Saudações poéticas
Juvenal Nunes