quinta-feira, 16 de maio de 2019

UM "FÓSFORO NA PALHA"






No limite da luz
debrucei-me para ver
uma flor
soltar pétalas

mover-se 
numa lufada de vento
onde se derrama
sem muros nem amos

uma flor de fragâncias
que se atiça
em pleno vôo
nesta pátria desnavegada

Debrucei-me para ver
da minha escarpa
o fulgor da vertigem

Lá estarei 
na fenda da urna
a depositar
um "fósforo na palha"


eufrázio filipe

21 comentários:

Rogério G.V. Pereira disse...

...e na iminência
de se apagar o fósforo
eu sopro

para que a palha
arda

teresa dias disse...

Versos e imagem, fabulosos!
De fósforo na mão, sempre!
Beijo.

Teresa Durães disse...

Uma flor nesta patria desnavegada. Muito bom!

Larissa Santos disse...

O poema é lindo, mas a imagem também :))

Bjos
Votos de uma óptima Quinta - Feira

Graça Pires disse...

E como pode não arder um fogo que se atiça a sonhos antigos e sempre novos…
Muito belo o teu poema, meu Amigo.
Um beijo.

Olinda Melo disse...


Uma flor e o vento, seguindo o caminho
para estão destinados.

Na fenda da urna. Muito bom!

Abraço

Olinda

saudade disse...

Por vezes temos de voltar as cinzas para delas renascer...
Bom fim de semana
Beijo

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e Outras disse...

Ah... "Um fósforo na palha."
É a jovem incendiário.
Eu já cumpri meu calvário
E sou bombeiro ou paspalha.

A vida é um fio de navalha:
Jovem ou sexagenário
Equilibrando entre o vário
E o permanente que falha.

Na vida nada é eterno!
E o fogo aquece o inverno
Da alma do antigo moço.

Por isso o fogo é o fraterno
Amigo a irmos ao inferno
Buscar amor que há no fosso!

Grande abraço! Laerte.

Pedrasnuas disse...

No limite da luz, ainda terei folgo para nos vestirmos de fogo pela última vez e pela última vez estarei vivo para fazer amor contigo...

jrd disse...

Magnífico! E será imensa a chama.
Um abraço fraterno poeta.

Lua Azul disse...

Esta pátria desnavegada está mesmo a precisar de voltar ao ativo...
Que o fósforo arda e pegue fogo!

Pedro Luso disse...

Um ótimo poema, no meu sentir.
Um abraço

Rosa dos Ventos disse...

O voto como o amor pode ser fogo sem se ver!

Abraço

© Piedade Araújo Sol disse...

talvez
o fósforo na palha
ateie as ideias

:)

Anónimo disse...

Enquanto este fiozinho que (mal) me prende à vida
não ceder de vez, também eu por lá estarei com o meu fósforo.


Abraço,


Maria João

Agostinho disse...

Bem armado o enredo:
a sedução
da fresca loira palha
à distância de um pst.

Abraço.

Ailime disse...

Um poema muito belo, na sua concepção, mas de difícil interpretação para mim.
Que venha um barco para salvar a "pátria desnavegada".
Beijinhos,
Ailime

Elvira Carvalho disse...

Um belo poema e uma foto muito bonita. Quem dera a corrupção fosse a palha a alimentar a combustão.
Abraço

Teresa Almeida disse...

Este poema faz mesmo chispa.

Beijinho.

Jaime Portela disse...

Que, na prática, será mais "chover no molhado" que um "fósforo na palha".
Excelente, os meus aplausos.
Caro Eufrázio, um bom fim de semana.
Abraço.

Majo Dutra disse...

Nesta pátria desnavegável...
É sempre inportante um fósforo na palha,
ainda que não arda, mas difunda luz e calor.
Abraço
~~~