quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

VERSOS OU QUASE NADA






Na minha escarpa
florescem ventos relâmpagos
e gestos

não como são
mas como os vejo

aqui
quase tudo acontece
no pestanejar de uma vírgula

mãos cheias de mar
mais azul
que os céus
voejam metáforas
para dar comer aos pássaros

e assim me deito
nos teus retratos
a fazer versos 
ou quase nada


eufrázio filipe

13 comentários:

Rogério G.V. Pereira disse...

Versos ou (quase)tudo
pois o (quase) nada
é tanto

Lua Azul disse...

Poema que termina com uns versos que adorei: "e assim me deito / nos teus retratos / a fazer versos / ou quase nada".
É um poema para o encontro, que quase chega a celebrar a criação!
Parabéns!

Marta Vinhais disse...

E escreve-se no olhar... na forma como vê o tempo...
Lindo...
Beijos e abraços
Marta

Rosa dos Ventos disse...

Na minha escarpa nada floresce, permanece estéril!
Este azul continua lindo!

Abraço

Janita disse...

Uma escarpa mágica, com poderes que só o mar pode conceder.
É nesses pequenos nadas, dos versos onde se deita, que nascem as belas metáforas, onde os azuis céu e mar se unem e se completam.

Obrigada, Poeta, por nos levar nesse lindo sonho azul.

Beijo

Maré Viva disse...

Maravilha, as palavras entrelaçam-se com o mar, as aves e a paisagem e no fim não falta nada!
Festas felizes, próspero Ano Novo!

Um abraço.

Teresa Almeida disse...

Das escarpas apenas a projeção do voo.
Local ideal para que o verso se precipite de perplexidade.

Beijos, poeta amigo.

Pedro Luso disse...

Boa noite, Eufrázio,
Um poema que eu assinaria embaixo.
Um abraço e bom fim de semana.
pedro

Agostinho disse...

No quase nada habita
a poesia tem tudo.
O gesto metafórico escapa
e todo o azul do Poeta vive
a imensidão da/na escarpa.

Tudo de bom, caro Eufrázio.

Pedrasnuas disse...

Vejo profundidade!

Graça Pires disse...

Da tua escarpa avista-se o azul de todas as paixões… Maravilhoso, meu Amigo!Que tenhas um Natal de Amor e que 2019 te traga tudo o que mais queres.
Boas Festas!
Um beijo.

Ailime disse...

Uma escarpa onde floresce excelente poesia.
Bjs
Ailime

Odete Ferreira disse...

Podia não me espantar, afinal há muito que te leio. Contudo, espanto-me sempre e sigo, planando, no efeito poético da geometria que traças com as palavras.
Sempre em azul!
Bjinho