quarta-feira, 26 de setembro de 2018

BEIJÁMOS AS PEDRAS







Lá onde todos os azuis
se reúnem para cantar
e os olhos cegam
num espelho de águas
dulcíssimas
nem sempre acontecem
pautas de timbres

mas tu trazias no corpo
um rasto de asas

na voz um sinal
que despertam contidos silêncios

e foi assim

quando soltaste os pássaros
neste jardim de corais

em pleno voo
beijámos as pedras


eufrázio filippe
2015

12 comentários:

Agostinho disse...

Quem lê nem vê
basta-lhe o brilho poético
lançado no abrir da gaiola

Beijamos as pedras...
pode acontecer
por que da inevitabilidade
vem afiado o gume ardente

Há pedras que são
de ígnea condição

Como sempre, a excelência é servida, aqui, no tom maior do prazer.
Parabés.

teresa dias disse...

Bela postagem, meu amigo!
O poema é soberbo e a foto (que acertada escolha!) fenomenal.
Beijo.

Rogerio G. V. Pereira disse...

...em pleno voo

após soltados os pássaros

Graça Pires disse...

Beijar as pedras em pleno voo. Só mesmo um Poeta…
Um beijo meu Amigo.

Maria João Brito de Sousa disse...

Passo e leio em silêncio, Mar Arável.

Considero-me uma péssima comentadora de poesia e,provavelmente, sou-o mesmo.
Mas leio. Leio sempre.

Lua Azul disse...

Beijar uma pedra é revolucionário! E logo em pleno voo!
Adorei o seu poema. V
Vivam o sonho e a poesia!

Teresa Almeida disse...

Só um belo poema grava os beijos nas pedras.

E eu deixo meu beijo.

Daniela disse...

Adorei!
=)
Bjinhos
Estamos por aqui com, "Filosofando na Vida" Alma que voa e sonha

Ailime disse...

Beijar as pedras do amor.
Lindo!
Bjs
Ailime

Pedro Luso disse...

Boa noite, Eufrazio.
Parabéns pelo belo poema.
Um abraço
Pedro

Lune Fragmentos da noite com flores disse...

Sempre linda, a poética dos afectos no som das palavras.
Mas este poema tocou-me de forma especial.

Boop disse...

São várias as vezes que não comento. Talvez por duvidar da minha interpretação dos seus poemas.
Mas um texto publicado ganha asas e a sua interpretação passa a pertencer a quem o lê, não é?
Em mim, este poema evocou a liberdade daqueles que se enamoram. E aquele lugar incerto, aquela centelha inexplicável, aquele mistério indecifrável que faz com que alguém sobressaia no meio dos demais.
E talvez por isso me revi.