quinta-feira, 19 de julho de 2018

TODOS OS DIAS DESPERTAMOS






Todos os dias conforme as estações
acordava à hora dos pássaros

escancarava a janela
abria os braços
dava um grito para chamar os cães 

descia pedra a pedra
todos os degraus da escarpa
até ao chão das marés
para hastear uma bandeira

enchia um jarro de água
sentava-me na mesa do alpendre
e começava a desenhar
palavras improváveis

Ao fundo
muito para lá da romãzeira
fremiam as águas
não sei porquê
mas fremiam

os cães latiam
e as palavras por uma nesga
espreitavam entre os dedos
como se fosse o fim da história
um paraíso inventado

Todos os dias despertamos
mesmo de olhos fechados


Eufrázio Filipe

15 comentários:

Rogerio G. V. Pereira disse...

poema-provocação
a quem não desperta

mesmo com os olhos abertos

Boop disse...

Desenhar palavras (prováveis ou improváveis) cada vez mais raro.
Não sei há quanto tempo não escrevo uma história à mão....

Marta Vinhais disse...

Por vezes, fingimos que não vemos...
Interessante o poema..
Beijos e abraços
Marta

Cidália Ferreira disse...

Maravilhosa!!

Beijo e bom fim de semana!

Majo Dutra disse...

Achei interessante pela veemência e intensidade.
Um grande poema, EF.
Ótimo fim de semana.
Beijo
~~

Agostinho disse...

"Palavras improváveis"
no seu natural conhecem
as linhas como suas próprias as mãos
suam despertas e os rios sentidos
de tinta aqui estão

O Poeta não se nega
ainda a estrela enrolada em lençóis

Abraço

Acrescenta Um Ponto ao Conto disse...

Um poema, uma bucólica imagem de uma manhã campestre.

Já está no blogue o capítulo 2 do nosso conto escrito a várias mãos "Janelas De Tempo". Convidamos-vos a ler:
https://contospartilhados.blogspot.com/2018/07/janelas-de-tempo-capitulo-2.html

Votos de excelente fim-de-semana.
Saudações literárias!

teresa dias disse...

Belo poema!
Como é mesmo acordar à hora dos pássaros? Fiquei curiosa.
Abraço e bom fim-de-semana.

Pedro Luso disse...

Cantam os pássaros e nos acordam.

Julia Tigeleiro disse...

"Todos os dias despertamos
mesmo de olhos fechados". É essa maldição que nos fustiga e atormenta, não termos a coragem de os abrir. Lindo.

Graça Pires disse...

O quotidiano do poeta. Mesmo de olhos fechados existe um labirinto no seu despertar. E é preciso a poesia para encontrar o caminho que os olhos reclamam…
Uma boa semana, meu Amigo.
Um beijo.

saudade disse...

Todos os dias são nossos, basta querer despertar.
e quantos há que mesmo de olhos abertos não despertam....
Beijo de...
Saudade

manuela barroso disse...

Quantas vezes acordamos ainda a dormir !
Importa levantar amarras e passear com os mastros !
Beijinho EF

mz disse...

Acordar assim é dormitar num sonho bom.
E que nos acordem os pássaros todas as manhãs e que ladrem os cães. O fremir das águas agrada-me bastante; estão vivas!

Uma braço,
mz

MJ FALCÃO disse...

Um belo poema!
"Todos os dias despertamos
mesmo de olhos fechados"
Era Buddha que dizia que todos os dias devíamos despertar...de novo! Abrir a mente, esquecer as dores passadas,andar em frente. De olhos abertos. Ou fechados - por que não? Há quem saiba ter o espírito aberto, mesmo com os olhos fechados. E há quem tenha os olhos abertos e não entenda nada (passe o lugar-comum...)...
Abraço