terça-feira, 3 de abril de 2018

NAVEGO À FLOR DA PELE






Nem sempre é claro
o fio que une as margens
muito menos de passagem
num abraço de limos

declino o arco
das frágeis pontes
navego à flor da pele
para não ferir as águas

onde passo


Eufrázio Filipe

24 comentários:

Boop disse...

Difícil esse propósito de não ferir as águas, especialmente quando há um desejo ambivalente de as deixar sulcadas e para sempre alteradas pela nossa passagem...
Efémeros e vãos desejos.

Agostinho disse...

Apoio.
Inclino-me em arco perante
a construção,
o Poeta.
Apoio suspensão,
Ponte e Rio.

Abraço.

jrd disse...

Deslizar à distância de um gesto.
Serei companhia sempre que puder.
Grande abraço, Poeta irmão

Majo Dutra disse...

Gosto desse tipo de navegação...
é fantástica para quem a sente...
Bj~~~

Elvira Carvalho disse...

Muito bom.
Abraço

Maria Eu disse...

À flor da pele se fazem maravilhosas viagens.

Beijinhos, MA :)

luisa disse...

Para tal navegação carece-se de águas tranquilas.
:)

manuela barroso disse...

É!
Pelo menos, sabemos dos abismos.
Reverência perante a beleza metafórica do poema!
Bji, EF

Cidália Ferreira disse...

Muito bom!! :)

Beijos. Boa noite.

Rogerio G. V. Pereira disse...

Hoje as margens
deixaram o rio aflito
feriram-lhe as águas

condoído não naveguei
nem mesmo à flor da pele

amanhã, será outro dia

Graça Sampaio disse...

Que lindo!!! Lindo, lindo, mesmo!! Poético de mais. Verdadeira imagem condoída. Parabéns!

Marta Vinhais disse...

A tranquilidade do tempo numa viagem pela pela...
Lindo..
Beijos e abraços
Marta

Poesia Portuguesa disse...

Navegar entre as metáforas da vida.

Gostei.

Um abraço

Gil António disse...

Maravilhoso. Sublime de ler.
.
* Cavalo e Amazona, a cor branca como símbolo da Paz ( Poetizando) *

Cumprimentos poéticos.

LuísM Castanheira disse...

miragem
ou linha presa às margens
tudo é viagem
(mesmo águas que sonhos carregam)

"a ponte é uma passagem"
abraço

Teresa Almeida disse...

Poesia escrita ao de leve. Tão linda!
Beijinho.

Pedrasnuas disse...

Salpicos sentidos.

tb disse...

Nem sempre fácil objectivo!
Belo poema, como sempre. Um prazer de ler.
Abraço.

© Piedade Araújo Sol disse...


passos suaves
em fio suspenso
nos arcos

e a ponte leva-nos sempre
para a foz de algo

:)

Jaime Portela disse...

Para além de muito bom, o poema é inteligente.
Parabéns.
Bom fim de semana, caro amigo.
Um abraço.

Olinda Melo disse...


Sim, nem sempre é fácil. Nem sempre as duas margens se irmanam.
Esperemos por dias melhores, suspensos embora.

Abraço

Olinda

:.tossan® disse...

Como a poesia faz falta na vida do individuo. Por isso vou voltar a blogosfera para desfrutar da beleza.

Ailime disse...

Um poema "à flor da pele" com suas belas metáforas.
Magnífico!
Beijinhos,
Ailime

Julia Tigeleiro disse...

Um cantinho encantador, onde a poesia nos embala e refresca. Lindo...!