quarta-feira, 14 de março de 2018

HAJA LUZ





A noite estava tão escura
que nem parecia noite

lambidas as sombras
ficou um rio inteiro
a memória de uma luz
vertebrada

em transito
à flor das águas


Eufrázio Filipe

17 comentários:

Rogerio G. V. Pereira disse...

(belo, isto!)

Cidália Ferreira disse...

Lindo e sensual! :)

Beijo

Elvira Carvalho disse...

Lindo.
Abraço

Gil António disse...

Super e deliciosamente poético.
.
* Se te amar for pecado ... Então sou um Pecador *
.
Cumprimentos poéticos

Ana disse...

Bonito e intenso!
Beijinhos,
http://chicana.blogs.sapo.pt/

Jaime Portela disse...

Que dizer?
Apenas excelente. Parabéns.
Bom fim de semana, caro Eufrázio.
Um abraço.

Teresa Durães disse...

O mistério de todas as coisas

AC disse...

Desde que haja lucidez e sabedoria, todas as lambidelas fazem sentido.

Abraço

Janita disse...

Essa luz só podia ser vertebrada: ilumina apenas as partes proeminentes do caminho a percorrer!
Gostei.
Boa noite e excelente semana, Poeta.

teresa dias disse...

Uau!
Aplaudo o poema e a foto.
Abraço.

Aleatoriamente disse...

Poesia...
gostei muito.

Odete Ferreira disse...

Requintada poética, este teu poema!
BJ, amigo

Ana Tapadas disse...

Belo e dançante...
Beijo

manuela baptista disse...

memória de uma viagem, à tona de água


um abraço

© Piedade Araújo Sol disse...

nem sempre a noite é noite

às vezes existe uma luz que a ultrapassa

beijinhos

:)

Agostinho disse...

Assim haja luz,
as margens
definem-se à contraluz.

O timbre da poética habitual que afaga a pele das emoções.

Abraço.

Julia Tigeleiro disse...

Belo, belíssimo.