sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

A FINGIR DE PÁSSAROS





Num sopro de vento
há palavras esculpidas
que respiram por guelras

outras esgrimem aladas
na leveza dos gestos
a fingir de pássaros

acordam-me
a fazer versos 
ou quase nada


Eufrázio Filipe

8 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Gostei muito.

Beijo. Bom fim de semana.

Elvira Carvalho disse...

Gostei de ler, poeta.
Um abraço e bom fim de semana

Marta Vinhais disse...

Há um poema escrito no nada que se torna num tudo....
Lindo...
Beijos e abraços
Marta

Graça Pires disse...

Não precisas de fingir. Toda a gente percebe que és um pássaro a voar obstinadamente sobre as palavras...
Uma boa semana, meu Amigo.
Um beijo.

Pedrasnuas disse...

O poder da imaginação associado ao talento da escrita.

Pedro Luso disse...

As palavras voam
como os pássaros.

© Piedade Araújo Sol disse...


Que interessante poema.
O que publiquei hoje fala precisamente das palavras.
E gostei do seu comentário.
Sim "algumas falam por gestos"
gostei muito
beijo
:)

jrd disse...

Nas asas da metáfora o vento é poesia.
Abraço meu Amigo