segunda-feira, 4 de julho de 2016

A PROFANAÇÃO DAS METÁFORAS





Partiram como se as mãos
apenas servissem para dar
de beber às fontes

partiram para a água seguir
os seus passos
sábios e mudos

asas presas nas sombras
barcos descontentes prometidos
música funda tão limpa de areias

partiram de perfil
quase submersas
de poentes e salivas

Subiram todos os degraus do cais
despiram-se na biblioteca
para ler
a profanação das metáforas
e o mar crescer
nos mastros mais altos


Eufrázio Filipe

20 comentários:

tb disse...

o poema é a porta por onde passam todas as metáforas...
Um beijo.

Arco-Íris de Frida disse...

O mais importante eh partir...

Sandra Louçano disse...

Belo poema.
A imagem é de igual forma magnifica e impactante, calça que nem uma luva, as suas palavras.
Fica um beijo.

heretico disse...

é verdade, Poeta - até as metáforas perdem a inocência!

e a biblioteca o lugar certo para a sua profanação (das metáforas)! ou para a sua reinvenção: depende do livro que escolheres!

mas que sou eu? "caças" tu mais metáforas numa página que este teu amigo num livro completo.

excelente, está em forma.

abraço

Marta Vinhais disse...

Partir, desvendar o horizonte e depois regressar....
Mesmo que não se tenha descoberto tudo...
Lindo...
Beijos e abraços
Marta

anamar disse...

MAR ARÁVEL, mar, que em recorrentes sonhos consigo palmilhar, sim, pois sempre imaginei que poderia caminhar pela água, eis-me numa braçada longa, nadar até ao teu cantinho.

Retribuo a visita ou consideremo-nos sempre visitados...

Tenho passado pouco, pois a vida mudou e o cansaço apodera-se de mim para outras "tarefas".

Abracinho.

Agostinho disse...

Muito bom, poeta!
Pelo que se vê,
há metáforas que se insinuam
no poema.
E cavalgam lombadas
à espera que um dedo
no dorso e no verso
as percorra lambido.

Abraço.

Majo Dutra disse...

~ ~ ~
Muito belos e refrescantes
são os teus poemas, Mar.
Não quero profanar as tuas metáforas...
~~~ Beijo ~~~

Rogerio G. V. Pereira disse...

Sabes poeta?,
quem parte assim
fica sempre
dentro da gente

que cresça o mar

Zilani Célia disse...

PALAVRAS, METÁFORAS, POESIAS, SÃO DESNUDADAS NAS BIBLIOTECAS ONDE ESPERAM PARA SEREM ENFIM, PROFANADAS.

ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Fê blue bird disse...

Acho que não partiram, regressaram ao seu destino. Belo!

Um beijinho

Maria Rodrigues disse...

Não gosto de partidas, deixam-me sempre com o coração desolado, mas adorei o seu poema.
Um abraço
Maria

deep disse...

Belo poema de partida, que é também de chegada. :)

graça Alves disse...

Achei bonito!
Parabéns!
bj

Odete Ferreira disse...

Só consigo deixar espanto e partir como se não tivesse entrado neste mar de metáfora...
Bjo, Filipe :)

Jaime Portela disse...

Tudo o que é profanável é profanado... nada escapa e muito menos as metáforas...
Caro Eufrázio, tem um bom fim de semana.
Abraço.

Ailime disse...

Olá Poeta,
O poema é de tal forma lindo (e difícil), que desta vez fiquei submersa nas metáforas!
Beijinhos,
Ailime

© Piedade Araújo Sol disse...

partiram e
voltaram mais sábios
mesmo que as metáforas
fossem (ou não) profanadas.

gostei!

boa semana.

beijo

:)

Graça Pires disse...

Se o mar cresceu nos mastros mais altos, foi legítimo que profanassem as metáforas...
Um poema muito belo e muito bem ilustrado, meu amigo.
Um beijo.

AgriDoce disse...

Belas metáforas, querido.

Beijo.