quinta-feira, 2 de junho de 2016

LÁGRIMA AZUL






A noite estava linda e parda
nos teus olhos de faúlhas
e eu não sabia porquê

talvez por isso

a imperfeição pareça
uma fonte inesgotável
de procuras

talvez por isso

apascentados
a revoar fragâncias de limos
inocentes os barcos
pastem memórias

A noite estava linda e parda
desobrigada
quando acendi um fósforo
no Mar da Palha

só para ver em festa
uma lágrima azul
a despenhar-se dos teus olhos

Eufrázio Filipe

16 comentários:

deep disse...

Belo poema em tons de azul!

Majo Dutra disse...

~~~
Lágrimas soltas

pela comoção de uma imensa felicidade

são muito especiais de tão raras...

Belíssimo Poeta!

~~~Bj~~~

Marta Vinhais disse...

E ser-se feliz.... Apesar das imperfeições....
Lindo...
Beijos e abraços
Marta

Rogerio G. V. Pereira disse...

E se algum dia acusei os poetas de culpa
hoje
uma lágrima azul te redime
de qualquer omissão ou crime

Mar Arável disse...

Rogério
Repara bem
há poetas que não querem salvar o mundo
só ajudar
Abraço

Andrea Liette disse...

Nuvem
Cisne
Luz do sol
Lágrima azul
Água marinha...
Tudo isso eu seria
Para que raiasse imenso
Um novo dia!

Beijo, poeta.

heretico disse...

não há bela sem senão...
a imperfeição humaniza.

poema (qual fósforo) capaz de incendiar o Mar da Palha ...

(sempre do lado esquerdo da vida)´

abraço sempre

© Piedade Araújo Sol disse...

depende da lágrima
mas azul
quer dizer feliz

;)

bom final de semana.

:)

Ana Tapadas disse...

Quando o Poeta incendeia os olhares...

Belíssimo poema.

Beijo

Graça Pires disse...

De tanto amar o mar, o poeta vê o azul escorrendo por todo o lado...
Um beijo.

ana disse...

Muito bonito.
Boa semana.:))

jrd disse...

Azul e iluminada, a lágrima furtiva, faz transbordar o mar.
Abraço fraterno Poeta

Agostinho disse...

Entre o rio e o mar
voga o amor

à luz
de um fósforo

a noite negra
fez-se azul
na saturação duma pérola

e o poeta veio
dizê-lo assim

manuela baptista disse...

a noite estava parda, mas azulou


Ailime disse...

As lágrimas são como bálsamos que o olhar do poeta capta com alma.
Bjs
Ailime

Odete Ferreira disse...

És luminoso, tal como a tua poética, de um azul que espanta...
Bjo, Filipe :)