terça-feira, 5 de abril de 2016

ANOITECEMOS





Enamorado de palavras
transumantes
artesão de metáforas
deixei aos desertos
o cântico das areias
pela casa inteira

Já tínhamos morrido
quase tudo
quando chegaste folha-ante-folha
e eu não sabia
se eras tu
ou um pássaro
a prender-me o olhar
na tua voz

Ainda pestanejei umas vírgulas
soltei pétalas de sal
gota a gota
num belo concerto
de mãos nos ouvidos

anoitecemos

Eufrázio Filipe
 

27 comentários:

Graça Sampaio disse...

Muito lindo!! Muito lindo!!

Beijinhos poéticos.

rosa-branca disse...

Delicioso poema que adorei. Um abraço com carinho

Rogerio G. V. Pereira disse...

(Muito belo, isto!)

Ailime disse...

Magnifico poema!
"Folha-ante-folha", o reavivar do amor.
Bjs
Ailime

Miss Smile disse...

Somos todos artesãos do amor e, alguns, mestres de palavras. O seu poema é um rebentar de onda. É belíssimo.

Um beijinho, Mar

heretico disse...

insondáveis são os desígnios das noites anoitecidas...
e dos concertos atonais!

mas as metáforas são expressivas

balanço feito - gostei!

abraço, poeta.

Marta Vinhais disse...

E quem não se enamora das palavras? Quem não anoitece e amanhece vezes sem contas nas palavras?
Lindo...
Beijos e abraços
Marta

Odete Ferreira disse...

Sorri(o)!
Enamorei-me... Também vou esperar o anoitecer.
Belo, sensitivo e sublime a imagética de sedução.
Bjo, Filipe :)

Jaime Portela disse...

Não há como contrariar quem nos prende o olhar com a voz...
Excelente, como sempre.
Bom fim de semana, caro amigo Eufrázio.
Abraço.

Andrea Liette disse...

Há de se sonhar ao som "das areias".

Suzete Brainer disse...

As palavras no voo das metáforas
num belo concerto, Poeta!...

Janita disse...

Anoitecer assim,
em modo poesia
e o nu feito Arte,
não é para qualquer mortal.
É só para Poetas
e Deuses
que não vagueiam
por qualquer parte.

Abraço, Poeta!

Majo disse...

~~~
Intensa comoção num encontro imprevisto,

mas muito desejado...

Sentires profundos e delicada sensualidade.

~~~ Belíssimo! ~~~

~~ Beijo amigo. ~~

jrd disse...

Folha-ante-folha, lentamente, não vá o som das palavras desassossegar a noite.
Um poema belíssimo,

Abraço fraterno

Lucy Mara Mansanaris disse...

Eis o sublime.

Que de tão, todo o resto faz-se mar.

Excelente final de semana.

Gisa disse...

A beleza da tua escrita me faz sorrir. Um bj

mariam [Maria Martins] disse...

É lindo. bjs

Carmem Grinheiro disse...

Olá, Filipe.
Poesia em cada pétala, sem pestanejar.
Assim vale a pena anoitecer.

abç amg

© Piedade Araújo Sol disse...

nem tudo morre, sempre chega algo a reclamar vida...

muito belo!

boa semana.

beijo

:)

Canto da Boca disse...

Eufrázio, enamorada com a sua poética, como sempre!

;))

Graça Pires disse...

"e eu não sabia
se eras tu
ou um pássaro
a prender-me o olhar
na tua voz"
Magnífico poema, meu amigo!
Um beijo.

Salete disse...

Um belo anoitecer...

Beijos.

Agostinho disse...

Belíssimo crepúsculo, Poeta.
Daqui concluo:

Anoitecemos
quando a penumbra
define a linha
do corpo ponto a ponto
a ponto de melhor nos vermos
Por isso para isso...

Laura Ferreira disse...

Belo.

MARILENE disse...

Atrás das palavras, sedutoramente colocadas, o encantamento mágico do sentir... Abraço.

Laura Santos disse...

Que bela forma de anoitecer!
Com a poesia solta como um pássaro que sabe onde pousar.
xx

Sónia M. disse...

Não há pássaro
que aqui não se encante...

Belíssimo concerto.

Beijo