sexta-feira, 11 de março de 2016

INVENTEI UMA PEDRA





Inventei uma pedra
com vida por dentro
rasguei uma janela
para ver este chão de mar

e nem me perguntei
se os peixes em cardume
se alimentavam
de poemas ou destinos
os sinos dobravam no cais
onde rangem os mastros

Inventei uma pedra
profanei metáforas
neste itinerário sem grilhetas

vagaroso nesta pátria de náufragos
pousei nos teus cabelos
para salvar os meus olhos

Eufrázio Filipe
 

19 comentários:

Sandra Louçano disse...

Mas que poema tão intenso.
Gostei muito.
Beijinho

Agostinho disse...

É na arte de inventar que o poeta encontra o seu destino no mar: no pulsar sereno da pedra abre a janela por onde havemos de escapar.
Abraço.

Miss Smile disse...

Quem se deixa levar pelas ondas e pelo sonho...

Muito bonito :)

Um beijinho

Elvira Carvalho disse...

Excelente.
Um abraço e bom fim de semana

Lucy Mara Mansanaris disse...

Inventou e deu asas...
E foi lindo o seu voo.

Parabéns! Abraço.

Marta Vinhais disse...

Encontramos os sonhos escritos nas ondas do mar....
Lindo..
Beijos e abraços
Marta

Teresa Durães disse...

"...nesta pátria de náufragos", o quanto.
Gostei bastante!

Anónimo disse...

há pedras que têm magnetismo - essas, são um achado.
ou uma oferta dos deuses...

abraço, Poeta

M.V.

JANE GATTI disse...

Pouso seguro... Gostei muito! Boa semana...

Graça Pires disse...

Dizemos que as pedras têm alma pelo andar ansioso de nossos passos... Será?
O seu poema é lindíssimo!
"vagaroso nesta pátria de náufragos
pousei nos teus cabelos
para salvar os meus olhos". Que beleza!
Um beijo.

© Piedade Araújo Sol disse...

neste país de náufragos
um dia
serão novamente marinheiros de águas claras

muito belo!

:)

Helena disse...

De dentro de uma pedra inventada... Pode-se tudo!
Belo poema"

Ailime disse...

Magnífico poema!
Uma pedra com vida numa pátria à deriva e o repouso do olhar, cansado dos naufrágios.
Bjs
Ailime

Ana Tapadas disse...

Poetas são...os que assim unem as palavras inusitadas.

bjs

lupuscanissignatus disse...

bóia que nos salva da indigência

retenho:

"vagaroso nesta pátria de náufragos
pousei nos teus cabelos
para salvar os meus olhos"

Bandys disse...

Lindo e intenso.
Sempre ha salvação onde há poesia.
beijo

lis disse...

Reinventar... um caminho e nelas,pedras.
amei a foto Eufrázio.

Majo disse...

~~~
Belo! Muto belo, Poeta.
~~~~~~~~~~~~~~~~~

~ Beijinho.
~ ~ ~ ~ ~ ~

Odete Ferreira disse...

Muito belo, emotivo e musical.
Prendera-me as metáforas e a sua imagética. Relevo o último terceto, como exemplo.
Bjo, Filipe :)