sábado, 13 de fevereiro de 2016

ROSA DE SAL




Neste chão de ressonâncias
marés vivas
marnotos
marinhas valentes
e outros relâmpagos
transportámos
um sol de mãos cheias
à cintura um mar de sargaços

Nus de tudo
soprámos o espinho
que nos sangrava as pétalas

descobrimos as mãos
e os lábios
ao entardecer

dulcíssimos
oferecemos ao rio
uma rosa de sal

Eufrázio Filipe  (Presos a um sopro de vento )

19 comentários:

Sandra Louçano disse...

Que maravilha :)

ana disse...

Muito bonito. Num registo diferente.
Gostei.:))

JANE GATTI disse...

Como todos os seus poemas, nos faz pensar... Gostei muito. Abraços.

Rogerio G. V. Pereira disse...

Poeta

que retribuição nos fará o rio
agora que sabe a mar?

Odete Ferreira disse...

Despojados de quase tudo, ainda há força para resistir e para um renascer.
Emocionante este percurso imagético...
Bjo, Filipe :)

Marta Vinhais disse...

Vive-se o momento.... Apaixonadamente...
Lindo...
Beijos e abraços
Marta

Lídia Borges disse...


Permanecer com as mãos cheias de Sol. Do sal, a rosa!


Bj.

Lídia

heretico disse...

que desabroche então o Milagre...

"são rosas, Senhor" - são rosas de sal...

abraço fraterno, Poeta

Armando Sena disse...

Efémeros são até os vendavais.
Resta-nos o estremecimento dos dias de inverno.
Abraço

Graça Pires disse...

O sal da rosa sobre o rio a lembrar que a sede nunca acaba...
Um poema maravilhoso, meu amigo!
Um beijo.

Liplatus disse...

Tervehdys

En ymmärrä kieltä.
Kiehtova kuva.

Genny Xavier disse...

Os marnotos cultivam suas delicadas flores de cristais…nascem elas do sal da vida, na luz do sol… são como roseiras do jardim do mar…
Então, quão docemente elas nos despem (de tudo) até o entardecer de cada dia…

Ah! essas metáforas que nos ensinam!

Beijo,
Genny

Jaime Portela disse...

Um poema com sal e outros condimentos poéticos que o tornam excelente.
Gostei muito, pois claro.
Boa semana.
Um abraço, caro amigo Eufrázio.

Elvira Carvalho disse...

Um belo poema. Vamos recomeçar na esperança de um amanhã radioso.
Um abraço

jrd disse...

Na doçura das mãos e dos lábios as rosas de sal são gestos e beijos que o rio agradece.
Abraço fraterno

Janita disse...

O entardecer traz-nos sabores de sal
de rosas e doces recordações.

Um abraço, Poeta!

© Piedade Araújo Sol disse...

e o rio ficou mais salgado
e a rosa mais doce
e as palavras
com mais significado
e o sol
o sol
inundou as mãos do Poeta

:)

Carmem Grinheiro disse...

Bonito, poeta.

abç

lupuscanissignatus disse...

mapa astral