sábado, 14 de novembro de 2015

GARATUJAS ( 10 )

                                                 Aceitei o desafio do meu neto para escrever uns textos como se fossem garatujas


Avô - está ali uma senhora a chamar pela cadela da vizinha.

Só pode ser a vizinha.

A minha cadela saltou a vedação e anda por aí com o vosso cão.
Timóteo chama o Oli.
O Oli está debaixo da romãzeira a brincar com a cadela da vizinha.

A vida é uma surpresa minha senhora. Ontem dissemos ao Oli para respeitar o silêncio da sua cadela. Como vamos fazer?
Eu vou buscá-la . Importa-se que salte a vedação?

E foi assim, contra a vontade dos dois, separados, cada um ficou no seu espaço.

Avô - porque não ficaram cá todos?

Temos que respeitar o espaço de cada um.
A cadela tem dona, o Oli não.

Cabisbaixo, rabo entre as pernas e orelhas murchas chegou o Oli.
Não fiques triste.
Não fico triste? Eu estou triste.
Diz ao teu avô que não quero mais o paraíso.
Prefiro a rua da nossa cidade


eufrázio filipe


 

8 comentários:

Teresa Durães disse...

Mais uma admirável prosa que estou verdadeiramente fã!

heretico disse...

sabes quanto aprecio este teu original registo...

ironia e verve literária. em elevado nível.

espero ler em livro. brevemente.

forte abraço

Marta Vinhais disse...

As ruas escondem pedaços de paraíso... Nem sempre são fáceis de encontrar, mas há...
Mas a verdadeira lição é saber respeitar o espaço de cada um para depois crescer...
Lindo...
Beijos e abraços
Marta

Janita disse...

Os animais como as pessoas precisam da convivência uns dos outros!
Há que explicar isso à vizinha.
O Oli tem de aprender a ser mais persistente! Que é isso de desanimar logo ao primeiro desaire?
Que fique no campo até convencerem a vizinha a deixar ir a cadela brincar com o amigo.:)

Beijinhos para todos e também para a vizinha que não esteve com meias medidas. Até a vedação saltou e os dois separou!:(
:)

Ailime disse...

Prosa/poética original e didáctica que muito apreciei!
Beijinhos,
Ailime

Agostinho disse...

"Temos que respeitar o espaço de cada um".
Para que haja sempre festa na hora de a fazer.

Ora bem, isto tem direitos de autor, claro está, mas vou roubar na mesma estes garatujos para ler à minha neta mais velha, de 6.

Venham mais garatujos, com o mesmo elenco ou com outras figuras e figurões.

Odete Ferreira disse...

Mar: só posso deixar o meu respeito pela criação desta série "surreal" com cariz de "non-sense".
Bjo :)

bettips disse...

Tao bonito...como falar a uma criança das criancices!
(o silêncio partiu-se como um vidro, logo a seguir: porque o mundo somos todos e cada um, quando se matam inocentes)