sexta-feira, 6 de novembro de 2015

GARATUJAS ( 1 )


                                                               Aceitei o desafio do meu neto para escrever uns textos 
                                                                               como se fossem garatujas 




Na rua chovia. As folhas das árvores caíam. 
Estávamos no Outono, mas hoje acordei com um sonho lindo. 
Apeteceu-me correr no jardim da escola, mesmo pelo meio das flores. Eu sei que não devia, mas apeteceu-me. 
Estou a falar de um sonho, porque a minha escola não tem jardim com flores. 
De repente tropecei numa flor com espinhos, caí, fiquei ferido numa perna. 
Ali fiquei no chão com muitas dores a chorar. 
De repente apareceu um cão e assustei-me. 
Não sabia o que fazer. 
Ele olhou para mim e lambeu-me a ferida. 
Cocei-lhe as orelhas e abanou o rabo de contente. 
Já acordado pensei no meu sonho lindo e disse 

Nunca mais corro pelo meio das flores, mas quero ter um amigo 
de quatro patas. 


 eufrázio filipe
 

10 comentários:

Arco-Íris de Frida disse...

Achei tao bonito o sonho de ter um amigo de quatro patas...

Isabel disse...

Gostei das garatujas! Uma bonita história infantil:)
Tanto, que se não se importa vou levar para ler aos meus alunos...

Bom fim-de-semana:)

Ailime disse...

Amigos fiéis (os de quatro patas)!
Bjs
Ailime

Rogerio G. V. Pereira disse...

Sempre sonhei
saber contar um sonho assim

ana disse...

Lindo, simples.
Bj

deep disse...

Gosto destas garatujas. :)

Agostinho disse...

Só hoje vim ao Mar. E que vejo? O Poeta de arado na mão em sementeira de imaginar.
Não pode ser em melhor altura para que a Primavera se faça no neto a desabrochar.
Perfeito

jrd disse...

Como um sonho de sonho.

Abraço poeta

© Piedade Araújo Sol disse...

palavras com ternura...

:)

GL disse...

Bela ideia, a do neto!:)
E o avô á altura, a escrever um texto pleno de inocência, e de beleza.

Obrigada a ambos.