terça-feira, 8 de setembro de 2015

UM HINO ÀS TEMPESTADES






Na tremulina deste mar
que não se consente agrilhoado
mesmo que seja breve o azul
no perfume das águas
mesmo que o cíclico pássaro
de plenas asas
adocique o bando
não te vejo a abandonar a luz
clara silvestre dos relâmpagos

o ar que respiras
pelas narinas do vento
continua a movimentar-se
agita as dunas
grita nas falésias
contra a absolvição dos destinos

submerso no chão das maresias
um dia virás à tona  tanger um hino
à ternura das tempestades 

o brilho dos teus olhos
de tão órfãos
ainda terão uma pedra

para atirar às estrelas



Eufrázio Filipe
"CHÃO DE CLARIDADES" 

22 comentários:

Helena disse...

E como magia nascerá nas ondas a melodia de um pássaro que trará nas asas a pedra a ser lançada às estrelas...

Salete disse...

Que lindo! Que nunca nos falte o brilho no olhar.
Beijo.

Miss Smile disse...

"Eu ontem passei o dia
Ouvindo o que o mar dizia..."
António Botto

Este poema é um hino. Tão bom :)

Ailime disse...

Muito belo!
A esperança, sempre!
Beijinhos,
Ailime

Maria Luisa Adães disse...

Eu já não passo os meus dias
a ouvir cantar o mar,
que tanto amei

Não sei quantos morrem nesse mar!

Maria Luísa

"os7degraus"

Suzete Brainer disse...

"o brilho dos teus olhos
de tão órfãos
ainda terão uma pedra

para atirar às estrelas"

Na dimensão desta beleza poética,
somente o silêncio contemplativo...
Bravo!!
Bjs.

Majo disse...

~ ~ ~
~~~ «Submersos no chão das maresias...»

~ São muitos, infelizmente! Mas mais ternas
são as tempestades, do que alguns humanos...

~~~ Pertinente, este belíssimo poema. ~~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

~~ Beijo, Poeta amigo. ~~
~ ~ ~ ~

Ana Tapadas disse...

Grande o teu arado nesse Mar!

Beijo

© Piedade Araújo Sol disse...

talvez no brilho do olhar
floresça uma flor por entre as pedras
e só a flor
será atirada às estrelas

no cimo da escarpa

:)

Agostinho disse...

A beleza da imagem reduzirá os submersos.

E quem não atirou pedras
às vidracas?
É às tantas da matina que se bebe
o néctar da vida.

Graça Pires disse...

"o brilho dos teus olhos
de tão órfãos
ainda terão uma pedra

para atirar às estrelas"
Tão belo!
Um beijo, meu Amigo.

Acordar Sonhando . SOL da Esteva disse...

Estende o teu braço ao Mar,
Para acalmar a tormenta.
Que, mansa, há-de ficar
No leito que acalenta.



Abraços
SOL

Rita Freitas disse...

Lindíssimo, gostei imenso.

bjs e bom fim de semana

Armando Sena disse...

E tudo um dia baqueará sob o poder da liberdade.

Silenciosamente ouvindo... disse...

Espero que esse dia surja!!!
Desejo muito que surja!!!
Abraço amigo.
Irene Alves

Helena disse...

Passando, relendo, e deixando um beijo nos votos de uma linda noite de sonhos realizáveis e um domingo de alegrias e paz.
Com carinho,
Helena

ana disse...

Espero que não atire pedras às estrelas... :))
Bj.

Cristina Cebola disse...

Só o vento poderá inverter o destino das pedras....
Belo pois!

Deixo um abraço

mz disse...

Eu espero que o azul seja eterno.

Abç

Olinda Melo disse...


Esse Chão de Claridades leva-nos pela mão numa viagem em busca da luz.
Haja sempre pedras para atirar e desentorpecer as mentes.

Abraço

Olinda

MJ FALCÃO disse...

Gostei.
"(...)o brilho dos teus olhos
de tão órfãos
ainda terão uma pedra

para atirar às estrelas"

Odete Ferreira disse...

Um poema que homenageia cabalmente o teu "mar arável".
:) :)